11 de mai de 2012

Anos 70, a década da música.

image

por GuiAndroid
(TwitterTumblr)

Hippies, punks, disco, Glam-Rock, Pacifismo, John Travolta em Embalos de Sábado à Noite, colorido, bocas de sino, assimetria. Ocorre então o “Boom” da cultura ocidental.

Os anos 70 foram o período mais próximo do abstracionismo fashion que o mundo já viu, tudo era desconstruído, as linhas não seguiam padrões, ou seguiam, a única regra era de que não havia regra para se criar moda nos 70’s. E a única tendência era a de que não havia tendência, o novo e o diferente era bem-vindo e amado.

Talvez os anos 70 não sejam do agrado de todos por seus variados estilos, podendo assim parecer uma época confusa, mas a verdade é que o clima da época era exatamente esse, o caos. Sendo assim, nascia nos anos 70 como a fenix resurge das cinzas um novo patamar para a moda mundial. Quantas marcas e artistas não se encontraram após os 70? Andy Warhol e sua pop art, a ascensão de Yves Saint Laurent que se tornara então um nome, uma marca tão relevante na época quanto Chanel ou Armani e Valentino são para nós.

Os grandes ídolos do passado já repousam como Elvis e Marilyn, e outros ainda são símbolo de estilo e referência para muitos como Audrey H. e Brigitte Bardot. Os ídolos da música agora surgem com força e onipresença traçando o futuro de inúmeros estilos musicais entre eles estão o Hard Rock, o Blues, a música Punk; então temos os Jackson 5, John Lennon, Led Zeppelin, ABBA, Black Sabbath, Cher, Bee Gees, Ike & Tina Turner, Kiss, Queen, Olivia Newton-John, etc. Enfim, é impossível falar sobre a moda dos anos setenta sem citar a música, pois foram anos regidos basicamente pela música, pelo ritmo das discotecas, todos queriam ser “Famosos por pelo menos 15 minutos”. O liberalismo preenchia as ruas, a procura sedenta por direitos de inúmeras raças, classes e sexualidades.

Pela primeira vez o ser humano encontrava uma oportunidade de se encontrar e de tomar as decisões de um futuro que dependeria desses anos 70 para definir seus rumos e destino. Sendo assim, revolucionou-se a cultura ocidental por inteiro, cinema, arte plástica, moda, música, literatura, etc.

Porém nem tudo que surgiu nos anos 70 durou, o que agradou a um público maior manteve-se e o resto ficou guardado para depois. As calças bocas-de-sino que fizeram imenso sucesso desapareceram logo que os anos 80 acabaram, a cintura alta também foi sumindo aos poucos das passarelas, as mini-saias sobressairam-se no âmbito popular, camurças com franjas se tornaram “too old fashioned”, saias floridas, bordadas e estampadas começaram a ser vistas com certo desprezo logo que os anos 90 e sua moda reta e clean surgiram. E os cabelos black power que surgiram viraram febre, e graças a Deus ficaram no passado, lugar onde eles devem ficar.

Mas como na moda nada é para sempre, e essa regra inclui o que ficou para trás... As bocas-de-sino voltaram para alongar as pernas das mulheres, e como o retrô está em alta, nada mais apropriado. A cintura alta agora é significado de elegância e glamour, camurças com franjas agora são marca do estilo Folk e as saias floridas e chamativas agora são o conforto da mulher moderna nos verões quentes e primaveras adiantadas num mundo em aquecimento acelerado.

image

GuiAndroid escreve sobre moda no dia 11, e sobre TV e cinema no dia 27.

0 comentários: