3 de jul de 2012

Prazer, meu nome é Pé de Mesa.

TAMANHO 02

por Marcelo Antunes
(Diz Que Fui Por Aí...)

Ei, dá licença...  Alguém aí tem uma régua pra me emprestar?

O Kid Abelha já cantava, há quase trinta anos, que "são sempre os mesmos sonhos/ de quantidade e tamanhos".  E é assim desde que o mundo é mundo.  Homem que é homem tem uma preocupação excessiva com o tamanho do pinto, embora especialistas do mundo inteiro digam, em coro, que é melhor um anão esperto do que um gigante adormecido.

Esse papo veio à cabeça quando li a notícia vinda do Amapá, que conta a história de uma moça que processou o maridão por insuficiência peniana.  Isso mesmo, queridos:  Insuficiência peniana.  Trocando em miúdos,  o sujeito, tadinho, era mal dotado.

Segundo a matéria, KDB, 26 anos, advogada e residente no município de Porto Grande, no Amapá, decidiu processar o ex-marido, causando frisson na jurisprudência internacional. O casalzinho foi noivo por dois longos anos e, por motivos que desconheço, decidiram esperar a hora de subir ao altar para concretizar o ato.  Tarde demais.  A moça não conferiu a encomenda antes e, então, teve que recorrer ao "Procon" pra lhe valer a justiça:

“Se eu tivesse visto  o tamanho do ‘problema’ eu jamais teria me casado com um impotente”.

A legislação brasuca considera erro essencial sobre a pessoa do outro cônjuge quando existe a “ignorância, anterior ao casamento, de defeito físico irremediável, ou de moléstia grave”. De acordo com esta premissa, a advogada pleiteia  a anulação da cerimônia e uma indenização de R$ 200 mil pelos dois anos de namoro e 11 meses de casamento.

O pobrezinho que, ironia do destino,  é conhecido na região como Toninho Anaconda, tem comido o pão que o diabo amassou e, agora, quer reparação por tudo que o embrolho tem lhe causado nos últimos tempos.

Por isso, meninos, cuidado com a propaganda enganosa.  Ela pode foder com sua vida.

E a régua? Alguém tem pra me emprestar?

tamanho

Vamos emprestar uma régua pro nosso amigo Marcelo Antunes, que escreve todo dia 03.

1 comentários:

Luís disse...

Alguns puxam peso pra compensar: olhar pro corpo todo acaba confundido o olhar para o corpo dele. Escreva sobre isso, Marcelo.
:)