24 de set de 2012

The Voice Brasil: no novo programa da Globo, cantores são escolhidos só pela voz.

128461

por Gabryel Previtale
(TwitterTumblr)

O novo reality show, The Voice Brasil, que estreou na Rede Globo no dia 23, irá ser transmitido todo domingo após a Temperatura Máxima e antes dos jogos de futebol. É a versão brasileira do já existente e famoso The Voice (que tem versões nos EUA, Inglaterra e vários outros países), que se baseia em um programa que procura eleger a melhor voz. Assim, os concorrentes vão e fazem suas apresentações em torno de 1 minuto e meio mostrando toda sua competência e cativando o júri, que ficam em poltronas viradas de costas para o palco onde o candidato canta. A missão destes jurados é recrutar 12 cantores cada um, para formar seus “times de artistas” e assim treinar e evoluir os mesmos durante a competição. Quando um jurado/treinador ouve e se interessa pela voz do cantor, ele pode apertar um botão a sua frente e aí sim a cadeira se vira para o palco e ele tem a oportunidade de assistir a performance por completo, livre de estereótipos ou pré julgamentos pelo visual do artista analisado e até mesmo histórias emotivas por trás das apresentações.O interessante deste programa de sucesso é, se um só jurado apertar o tal botão, o candidato passa a ser do time dele imediatamente, porém, se mais de um técnico se interessar pela mesma voz, o participante que deve escolher seu “tutor”, que tem como tradição nos reality shows serem artistas famosos que entendem de música no geral (arranjo, melodia, canto e etc). No caso do Brasil a Rede Globo escolheu Cláudia Leitte, Lulu Santos, Carlinhos Brown e Daniel (sertanejo), enquanto a versão americana tem Adam Levine (vocalista do Maroon 5), Christina Aguilera, Blake Shelton e Cee Lo Green como técnicos. Neste caso os famosos que tem de usar um discurso que mereça a escolha de seu pupilo e o deixe treinar para a competição. Mas se termina a canção e nenhum treinador aperta o botão, o concorrente é eliminado.

O programa que teve origem na Holanda se difere muito dos outros realities de mesmo tema, como Ídolos na Record, pois ele não tem as famosas cenas engraçadas ou de vergonha alheia, quando um possível cantor se dispõe a passar por vexames nos palcos e acontece aquele clima de constrangimento entre os participantes e jurados. Esse trabalho árduo ficou por conta da produção, que selecionou pelo Brasil os cantores que irão disputar, sendo eles 90% cantores profissionais. Como não são inexperientes, nem estão dispostos a se submeter ao ridículo, os concorrentes são elogiados mesmo quando não são selecionados. É fácil quem termina a canção sem ser selecionado receber incentivo dos técnicos, que por vezes lamentam não ter apertado o botão depois que suas cadeiras se viram. Como no caso que ocorreu com o índio Yuri, morador da Aldeia Jatobá, em Tangará da Serra. "Estou muito orgulhoso de estar na sua frente e arrependido de não ter batido", disse Carlinhos Brown. "Somos dois", exclamou Daniel. "Três", emendou Claudia Leitte.

Vale lembrar que o nível dos participantes é realmente muito bom, entretanto não é a mesma coisa que o programa americano, começando pela técnica vocal, onde os americanos por sua vez nascem cantando em igrejas e etc. Aqui a coisa rola mais pelo lado “banquinho e violão” seguindo a lógica da história musical brasileira (a bossa-nova), levando em conta a interpretação e paixão por cantar. Sobre os jurados, Carlinhos Brown e Lulu Santos trazem coerência e diversão, são inteligentes e parecem ter algo para agregar de verdade aos participantes. Já Daniel possui muito carisma, mas parece um pouco perdido nos comentários e inseguro nas avaliações quando a voz do candidato não é tão potente e evidentemente boa (quanto melhor a voz, mais fácil de ser treinada).

E, por fim, Cláudia Leitte parece ser o erro do programa. Ótima cantora, mas mesmo assim sem embasamento nas criticas, falas totalmente fora de contexto, sem nexo, e parece que irá produzir várias cenas de constrangimento para as tardes de domingo. Começando com “eu pensei que fosse uma moça”, para um participante. Ela até chegou a pedir para que o garoto ficasse virando de lado como se fosse frango assado pra tentar encontrar volumes e entender qual era o sexo dele. “Eu sou garoto, Claudinha”, disse o rapaz, e foi publicado em um site de notícias.

Outro ponto decisivo na qualidade da franquia brasileira é o dinheiro aplicado. Todos sabem que, nos EUA, esse tipo de competição rende audiências inacreditáveis, e por este motivos são bancados com milhões de dólares. Aqui no Brasil nem tanto, e conseqüentemente a verba gasta é bem menor (digamos que o salário da Aguilera bancaria um episódio daqui e sobraria, já que a diva recebe 225 mil dólares por hora analisando os participantes de lá).

O primeiro dos quatro episódios que compõem a primeira etapa terminou com 11 selecionados. Brown, que apertou o botão para mais participantes, é o que tem o maior número de integrantes na equipe: quatro - dois dos quais só ele quis. No balanço geral, Daniel parece ter saído na frente, com as vozes mais marcantes. Duas das melhores candidatas do dia (Alma e Liah Soares) haviam sido escolhidas por todos os técnicos e quiseram trabalhar com o sertanejo. Claudia Leitte também tem dois membros do time (um selecionado só por ela e outro que disputou com Brown), e Lulu está com três afilhados, entre os quais apenas um foi unanimidade entre os técnicos.

Resumindo, a estréia emplacou 16 pontos no IBOPE para Rede Globo, um caso raro aos domingos, já que a média de outras emissoras é bem menor. Boninho como sempre apostando nas redes sociais, “bombou” no Twitter durante muito tempo várias frases relacionadas ao programa, que foram os assuntos tópicos da rede no Brasil, e também os tweets aparecem durante os episódios do reality. E por essa fama virtual, a escolha do apresentador Tiago Leifert, que possui mais de 1 milhão de seguidores e parece bem animado com o começo da temporada, afirmou não abandonar o jornalismo e voltar para o futebol em Dezembro. A Globo parece confiante com a estréia e já deixou escapar que haverá outras temporadas do The Voice Brasil. Agora é acompanhar para ver o que trará e o que será descoberto de talentos aqui no nosso The Voice.

Confira a formação das equipes até o momento:

Daniel: Liah Soares, do Pará; Alma Thomas, dos Estados Unidos.
Claudia Leitte: Marllon Breno, do Maranhão; Marianna Eis, do Rio de Janeiro.
Carlinhos Brown: Bruno & Camila (são uma dupla, mas contam como uma voz apenas), de São Paulo; Karol Cândido, do Rio de Janeiro; Ellen Oléria, de Brasília; Mayara Prado, de Goiânia.
Lulu Santos: Gabriel Levan, do Rio Grande do Sul; Gustavo Fagundes, do Rio de Janeiro, e Greicy Schwendner, de Santa Catarina.

Gabryel Previtale escreve todo dia 24.

0 comentários: