11 de out de 2012

O melhor da temporada de Primavera Verão 2013.

gt

por GuiAndroid
(TwitterTumblr)

Um ano, 2013, duas estações, primavera e verão, quatro cidades, Nova York, Londres, Milão e Paris, dez principais coleções, Ralph Lauren, Carlos Miele, Burberry, Vivienne Westwood, Dolce & Gabbana, Gucci, Moschino, Saint Laurent Paris, Dior e Jean Paul Gaultier, em 40 looks que são verdadeiros colírios. E cinco tendências para 2013, o preto e branco, as listras, o néon, o metálico e o decorativismo.

O novo ano que está por vir reserva uma série de combinações raramente vistas antes. Algo muito parecido aconteceu nos anos 80 em termos de cores, porém a inspiração eram as roupas de ginástica.

Nova York: Ralph Lauren e Carlos Miele.

clip_image002clip_image004

 

 

 

 

 

 

clip_image006

clip_image008

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Ralph Lauren claramente se inspirou no período da segunda guerra, como já foi visto na coleção de inverno da marca, porém dessa vez o foco da marca foi a Itália e Espanha. Representando uma mulher forte, determinada e séria, um reflexo dos regimes totalitário e ditatorial da região na época. Destaque para as boinas militares, os acessórios de cabeça, desde tiaras aos máxi chapéus foram febres nessa temporada.

image

image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

image

image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Carlos Miele, é o estilista dono da marca brasileira mais conhecida no exterior e ele provou isso em sua coleção de verão, em uma série de vestidos que são sua marca registrada, estampados em animal print, muito fluídos e leves, como pede uma temporada de Spring/Summer e ninguém melhor que um brasileiro para entender de calor.

Londres: Burberry e Vivienne Westwood

image

image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

image

Christopher Bailey continuou a exercitar sua tendência metálica já vista no último desfile de Primavera/Verão masculino, aplicou um pouco do azul klein em seus trench coats, fazendo uma coleção bastante comercial, mas sem perder o diferencial que a Burberry tem. Inovou ao usar trenchs que podem ser utilizados no verão, feitos com tecidos leves, finos e frescos, ideais para esconder um look de praia ou piscina sem demonstrar isso.

image

image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

image

image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Vivienne Westwood, foi uma escolha difícil de se colocar nesse artigo por Londres ter tido do meu ponto de vista a semana de moda mais eclética e variada da temporada; mas acabou conseguindo através de sua aposta polêmica but classy, em peças bem simples e feitas para o cotidiano, o que deu o Quê de arte no desfile foram as maquiagens inusitadas que cobriam todo o rosto de algumas modelos. Simbólico? Talvez.

Milão: Dolce & Gabbana, Gucci e Moschino

image

image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

image

image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Domenico Dolce e Stefano Gabbana, deram o show da temporada. Em um evento puramente italiano, o ar da toscana era sentido a cada peça, inovador como sempre, decorativista, com ótimo ritmo e trilha sonora que contou com o fechamento do desfile ao som de Volare, fantástico, é o que descreve essa coleção que pode sim, ser considerada a melhor da temporada. Destaque para o vestido conceitual de ráfia.

image

image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Gucci trouxe um verão fresh, fluído e básico, com uma palheta de cores bem simples, a grife investiu seu diferencial nos acessórios, sapatos, colares e brincos seguiam a tendência do decorativismo barroco, numa coleção clássica e ready to wear.

image

image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Moschino criou uma coleção com tons e cortes que remetem aos anos 60, uma das possíveis novas tendências para 2013, porém que começou fraca.

Paris: Saint Laurent Paris, Dior e Jean Paul Gaultier.

image

image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

image

image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A entrada do novo estilista da Saint Laurent Paris, Hedi Slimane, foi sobretudo, marcante. O que pode ser considerada a segunda melhor coleção da temporada por mim, ou A melhor pelos fashionistas. O velho oeste foi levado para Paris, com uma influência gótica, o clima de mistério e bang-bang prevaleceu, rostos semi-encobertos pelos icônicos máxi chapéus, capas esvoaçantes e caudas densas porém flexíveis enfatizavam ainda mais isso. Um pouco de brilho em paetê e peças bastante decoradas criaram uma nova e forte base para uma das casas mais tradicionais da moda francesa.

image

image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Após receber muitas críticas por ter criado uma coleção de alta-costura muito clean e até meio “dura”, Raf Simons finalmente foi reconhecido com o devido respeito no comando da Dior, nessa coleção o estilista soube usar as tendências ao seu favor principalmente o néon e mostrou a razão de seu nome ter sido símbolo de sucesso na Jil Sander, abusou das formas e do design, criando uma reinvenção para a mulher Dior, que agora vai ter que se adequar a um estilo mais jovial e prático.

image

image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

image

image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E para finalizar, temos Jean Paul Gaultier. Numa série de looks inspirados em celebridades símbolos do Pop como Michael Jackson, Madonna, ABBA e David Bowie. Sendo a coleção mais fora dos padrões usuais da temporada, o que é clássico quando se trata de Jean Paul que sempre faz o que quer, da maneira que quer.

Dica de Filme: Direito de Amar.

Direito de Amar, “A Single Man”, é um filme de 2009, dirigido pelo estilista Tom Ford. O filme conta a rotina de um professor homossexual, Colin Firth, que perdeu seu parceiro repentinamente em um acidente. Angustiado e isolado ele tenta continuar sua vida, dolorosamente; sua única amiga é a personagem instável vivida por Julianne Moore e um de seus alunos, Nicholas Hoult demonstra interesse por seu professor. Em plenos anos 60, drogas e suicídio são temas comuns e tratados com extrema naturalidade pelo diretor, que merece destaque especial ao fazer sua estreia no cinema de maneira tão perspicaz e polida. Elogiado pela crítica, por sua estética impecável e atuações acima da média o filme foi indicado ao Oscar de Melhor Ator de 2010 pela atuação de Colin Firth, 2 indicações ao Globo de Ouro e vencedor do Prêmio de Melhor Ator do Festival de Veneza.

0 comentários: