23 de jan de 2013

Review: Argo, ou como o classicismo pode funcionar a favor de um bom filme

argo-poster1

por Caio Coletti
(TwitterTumblr)

Com a história que tem para contar, Argo seria um bom filme de qualquer forma – a não ser, é claro, se Uwe Boll ou Michael Bay fosse dirigi-lo. Mas o que faz do Argo de Ben Affleck algo além de bom, algo realmente especial, é justamente o fato de que não há nada de especial nele. Este é um filme que, como pouquíssimos nos últimos tempos, se apropria da estrutura clássica de narrativa e faz ela funcionar ao seu favor: como a produção primorosa nos detalhes que é, Argo funciona perfeitamente nos níveis que o bom cinema é feito para funcionar. Não quer desafiar ou intrigar o espectador. Quer apenas contar uma história. E não precisa dos artifícios que parecem estar no criado mudo de todo roteirista contemporâneo para tal.

A trama aqui acompanha Tony Mendez (Affleck), operativo da CIA que tem a ideia mais inusitada da história da agência: para retirar seis diplomatas americanos do Irã na época da revolução, ele recorre ao amigo maquiador de Hollywood, John Chambers (John Goodman), e ao produtor Lester Siegel (Alan Arkin) para criar todo o aparato de uma superprodução de ficção científica – que será usada apenas como desculpa para os americanos passarem por uma equipe de filmagens, e sair do país sem problemas.

O roteiro do estreante Chris Terrio, baseado em um livro e um artigo de revista sobre a operação que ficou conhecida como “Argo” (devido ao nome do filme falso), constrói um herói clássico na figura de Mendez, mas coloca-o na beira do precipício, arriscando sua vida em uma missão no mínimo inusitada e fazendo de sua vida pessoal uma verdadeira bagunça. Afora isso, sua execução é impecável dentro da estrutura de narrativa clássica: a tensão crescente e a decisão redentora do herói, a agonizante sequencia em que o plano é posto as últimas provas… um trabalho “redondo” que veleu ao moço a primeira indicação ao Oscar.

Melhor Roteiro Adaptado é uma das sete indicações de Argo ao prêmio da Academia, aliás. As outras lembranças foram em Melhor Edição, Melhor Trilha-Sonora, Melhor Edição de Som, Melhor Mixagem de Som, Melhor Ator Coadjuvante (Alan Arkin) e, claro, Melhor Filme. Em seu terceiro bom longa-metragem na direção, Affleck, que levou o Globo de Ouro na categoria esse ano, batendo Quentin Tarantino, Ang Lee e Steven Spielberg, entre outros, foi novamente esquecido pelo Oscar. Uma pena, porque, se tivesse sido lembrado, teria fácil o posto de nomeação mais merecida do filme. Seu trabalho por trás das câmeras é primoroso e, especialmente, primorosamente discreto.

A ambientação perfeita do filme, a harmoniosa relação entre fotografia e trilha-sonora, mais o trabalho naturalmente brilhante que faz com os atores mostram Affleck como uma espécie de jovem Spielberg, quando este ainda sabia tocar as cordas certas do espectador para causar comoção, investimento emocional e tensão palpável. O trabalho de elenco é notável principalmente com os seis atores escaladados para os papéis dos americanos refugiados. Tate Donovan (Damages), Clua DuVall (Heroes), Scoot McNairy (O Homem da Máfia), Rory Cochrane (O Homem Duplo), Christopher Denham (Ilha do Medo) e Kerry Bishé (Sex and The City – O Filme) incorporam seus personagens com perfeição e, mesmo em tempo limitado em tela, integram-se a narrativa e a tenção inerente a mesma de forma impecável.

Argo é um filme construído, em certos níveis, sobre constrastes. Durante a primeira parte, ele vem com a inteligente sobreposição de cenas de Mendez em Hollywood tentando levar adiante o plano e outras – entre reais e encenadas – dos reféns americanos na embaixada do país no Irã (os refugiados que Mendez resgata haviam escapado do ataque dos radicais iranianos a instituição e se abrigado na casa do embaixado canadense feito aqui por Victor Garber). Depois, pode ser visto como um cuidadoso estudo dos contrastes da frequente subjugação das vontades populares pelo governo do país. Esse não é um filme que levante a bandeira americana para abaixar a de outro país. Argo deixa muito claro que as barbaridades estão dos dois lados do conflito e, a bem da verdade, que está mais interessado em contar a história daquelas pessoas que a história de um conflito.

***** (4,5/5)

Argo(Da esq. para a dir.) John Goodman, Alan Arkin e Ben Affleck

Argo (EUA, 2012)
Direção: Ben Affleck
Roteiro: Chris Terrio
Elenco: Ben Affleck, Bryan Cranston, Alan Arkin, John Goodman, Victor Garber, Tate Donovan, Clea DuVall, Scoot McNairy, Rory Cochrane, Christopher Dunham, Kerry Bishé
120 minutos

0 comentários: