30 de mar de 2013

Review: Glee, 04x17 – Guilty Pleasures

GLEE: L-R: Alex Newell, Becca Tobin, Jenna Ushkowitz, Heather Morris and Melissa Benoist perform in the "Guilty Pleasures" episode of GLEE airing Thursday, March 21 (9:00-10:00 PM ET/PT) on FOX. ©2013 Fox Broadcasting Co. CR: Jennifer Clasen/FOX

por Amanda Prates
(Twitter - O Que Vi Por Aí)

ATENÇÃO: esse review contem spoilers!

Qual seu guilty pleasure? Certamente muita gente vai responder Glee, após o episódio da semana passada, que seguiu os mesmos caminhos dos últimos e apresentou plots que quase beiraram a mesmice, não fosse pelas ótimas performances. Tudo começa quando Blaine, por acaso, vê Sam roubando macarrão do estoque da escola e logo imagina que sua família estaria passando fome. Mas, na verdade, o “boca de truta” estava apenas mantendo seu guilty pleasure, que é criar retratos usando macarrão. Pronto, estaria armada a desculpa perfeita para que os membros do New Directions revelassem seus prazeres culposos, por meio de música.

Com o Mr. Shue afastado por uma suposta gripe, Blaine foi quem comandou tarefa da semana no clube Glee. Cada um deveria revelar para todo o grupo seu maior guilty pleasure da música, mas é claro que em meio aos plots secundários, surgiram outras revelações que não fossem musicais. Sam foi o primeiro a escancarar seu amor embutido por Barry Manilow, com a performance muito divertida de “Copacabana”. Blaine, por sua vez, não podia ficar de fora e cantou “Against All Odds (Take A Look At Me Now)” com a intenção de reforçar que Kurt ainda é seu prazer culposo, mas que na verdade era o próprio Sam, apesar de ser o mais inocente de todos. Darren Criss, mais uma vez, mostrou porque tem sido o centro das atenções em Glee (não que isso seja bom) ao interpretar sem playback a canção de Phil Collins popularizada na voz de Mariah Carey. O moço ultrapassa brilhantemente os limites da telinha, exalando verdade e emoção em suas performances (mesmo com todas aquelas caras-e-bocas).

Enquanto Sam revelava a Blaine que ele e todo o clube sabiam que ele era seu guilty pleasure (e que seria quase uma ofensa se o rapaz não se sentisse atraído por ele), as meninas se rendiam ao amor oculto pelas Spice Girls. Wade Unique, Tina, Marley, Kitty e Brittany propunham que fugissem de sua zona de conforto e dos estereótipos que rodeiam as Spice e interpretassem “Wannabe” caracterizadas como o oposto de si mesmas. E, claro, isso rendeu a melhor versão do episódio. Ver Alex Newell comandando alguma performance é sempre um deleite para os meus olhos e ouvidos.

Depois de toda aquela polêmica envolvendo Chris Brown e Rihanna, tio Ryan não podia perder a oportunidade de cutucar as brownettes (oi?) e mais meio mundo de gente que se sente “mordida” com toda essa história. Quando Jake revela que seu prazer culposo são as músicas do Brown, as meninas do clube Glee “caem em cima” do moço e dizem que seria muito vergonhoso (e confrontador até) se ele interpretasse alguma canção do cantor. No final, ele acabou com uma performance mais dançante e quase animadora de “My Prerogative”, de Bobby Brown.

Nesse meio tempo em Ohio, Kurt também escondia um prazer culposo de suas colegas de apartamento em NY. Depois de Santana dizer a Rachel que Brody, na verdade, era um garoto de programa, além de render uma performance bem emocional de “Creep” (Radiohead) da Lea Michele e do Dean Geyer, as duas, ao tentarem pregar uma peça na “boneca de porcelana”, descobriram que Kurt dormia com um travesseiro com braços chamado Bruce. No fim disso tudo, sobrou outros Bruce’s pra todo mundo! E... o fim de Brochel seria uma nova chance para o recomeço de Finchel? Definitivamente não se pode prever nada em relação a isso, em se tratando de Ryan Murphy e companhia.

Fechando o episódio, Rachel faz a introdução de “Mamma Mia”, do Abba, para que o pessoal do New Directions fizesse mais uma performance bonitinha em grupo. Não pareceu natural como as dos episódios passados, mas seguiu fiel ao vídeo original. Mais uma vez não houve ideias que somaram algum valor aos personagens (algo que a série está extremamente carente), mas, apesar de os prazeres culposos terem sido bem inocentes (com exceção do da Kitty, por favor), tio Ryan soube bem trabalhar com um plot deliciosamente revelador e cheio de versões musicais divertidas.

E para não perder o costume, Glee entra em mais um hiatus, o último desta temporada que retornará no próximo dia 11, para os cinco últimos episódios.

“Wake Me Up Before You Go-Go”, da Wham!, interpretada pelo New Directions; veja aqui

“Copacabana”, de Barry Manilow, interpretada por Sam (Chord Overstreet); veja aqui

“Against All Odds (Take A Look At Me Now)”, de Phil Collins, interpretada por Blaine (Darren Criss); veja aqui

“Wannabe”, das Spice Girls, interpretada por Wade Unique (Alex Newell), Tina (Jenna Ushkowitz), Marley (Melissa Benoist), Kitty (Becca Tobin) e Brittany (Heather Morris); veja aqui

My Prerogative”, de Bobby Brown, interpretada por Jake (Jacob Artist); veja aqui

◘ “Creep”, do Radiohead, interpretada por Rachel (Lea Michele) e Brody (Dean Geyer); veja aqui

“Mamma Mia”, do Abba, interpretada pelo New Directions, Rachel (Lea Michele), Santana (Naya Rivera) e Kurt (Chris Colfer); veja aqui

*** (3/5)

segunda

Próximo Glee: 04x18 – Shooting Star (11/04)

0 comentários: