4 de mai de 2013

Review: Da Vinci’s Demons, 01x04 – The Magician

395023.1

por Andreas Lieber
(Tumblr)

ATENÇÃO: esse review contem spoilers!

Como de costume, até então, em Da Vinci’s Demons, a sucessão de eventos que leva ao clímax do episódio em seus momentos finais é um tanto quanto devagar. No quarto episódio, “The Magician”, encontramos um roteiro sem o famoso “caso da semana”, como visto nos casos de possessão do episódio passado, e isso, embora ajude a desenvolver os personagens de forma brilhante, pode causar um efeito enfadonho devido ao formato da série. E de seus 58 minutos semanais.

Trabalhando ainda com o peso de ser ao mesmo tempo um artista brilhante e um engenheiro de guerra, Da Vinci tem que enfrentar novamente a fúria de Riario enquanto este último organiza um exército diretamente do Vaticano para atacar Florença. Com momentos um tanto quanto frustrantes de se assistir, vemos um Da Vinci marcado pela oscilação do pensamento entre salvar a cidade e descobrir o mistério dos filhos de Mithra. Pendendo mais para esse último assim que Clarice explica-lhe a história de Cosimo, avô de Lorenzo e conhecido como the Magician, Da Vinci tem que correr de última hora para evitar uma rendição da cidade à Roma.

A cada episódio, no entanto, somos apresentados a mais maneiras de como esse gênio desenvolvia seus projetos e, em “The Magician”, vemos Da Vinci brincando de explodir romãs para, depois, criar um certo tipo de granada. Ganhando mais tempo antes que a guerra exploda, Da Vinci finalmente se foca de corpo e alma na questão do Book of Leaves e do Vault of Heaven, desvendando os sinais escondidos no quadro de Cosimo, que Clarice o havia mostrado, que comprovam que o mesmo era um guerreiro de Mithra.

Em evolução e caracterização dos personagens, “The Magician” fez proezas. Aporfundando-se em áreas mais cinzentas e obscuras das personalidades de Lorenzo e Lucrezia, Da Vinci’s Demons nos mostra que as vezes é difícil gostar de um personagem, como Lorenzo, que mesmo repleto de boas intenções, perde a razão e o limite entre vida e morte; também de Lucrezia, com sua ambiguidade lânguida, que tenta se enganar ao matar Becchi, alegando para si mesma que está fazendo um ato de caridade ao livrá-lo de uma morte violenta, quando no fundo só está encobrindo seus rastros. Um novo lado de Giuliano nos é revelado nessa semana ao servir como uma voz da razão, e não apenas como lançador de insultos a Leonardo, ao tentar convencer Lorenzo de que as coisas não são tão preto e branco como ele pensa.

E, falando em Riario, ele aparece fashion e stylish nesse episódio com um proto-óculos escuro e uma atitude que pode fazer dele, muito bem, a origem do hipster atual. Da Vinci também ganha mais profundidade e, aqui, vemos no roteiro uma pitada de realidade quando, no final, ao ser condecorado por Lorenzo como patrono artístico de Florença, ele é preso e acusado de sodomia (um dos crimes mais severos da época). Enquanto é encaminhado para a sela e o episódio acaba, vemos um Da Vinci pesando as consequências de entrar em um mundo onde, para sobreviver, é preciso fazer coisas que nem sempre consideramos corretas. E Lucrezia, enquanto se salva de um lado, afunda do outro ao declarar seu ódio pelo sobrinho do Papa à Leonardo; nas trocas de olhares finais entre os dois, é quase possível ver as engrenagens no cérebro do gênio rebelde fazendo fumaça: há algo mais profundo e obscuro nas intenções de Lucrezia.

4/5(****)

DaVinci's Demons, 2013

Próximo Da Vinci’s Demons: 01x05 – The Tower (10/05)

0 comentários: