16 de jul de 2013

Review: Under The Dome, 01x04 – Outbreak

UNDER THE DOME

ATENÇÃO: esse review contem spoilers!

O procedimento de Under The Dome passa perigosamente perto do formulaico em sua narrativa, mas se mantem acima dessa definição pelo simples fato de que nunca deixa de estar em movimento. Nessas quatro primeiras semanas, tivemos um piloto que apresentava os personagens com agilidade e sem rodeios, um segundo episódio que não perdia tempo com amenidades e mantinha a trama indo adiante, e um terceiro que amarrava pontas sem deixar de apresentar possibilidades novas. E agora temos “Outbreak”, que se alinha com “The Fire” muito mais do que com “Manhunt”, jogando uma situação extrema nas mãos dos habitantes de Chester’s Mill e assistindo a seus personagens bem construídos criarem conflitos envolventes.

O roteirista Peter Calloway faz pouco mais do que polir as superfícies de uma estrutura pronta que funciona graças a fenomenal habilidade de Under The Dome em nos engajar com esses personagens em tão pouco tempo. A diretora Kari Skogland ganha mais pontos por criar uma identidade visual que a série já pode pensar seriamente em seguir, com close ups e mudanças de foco. É uma linguagem cinematográfica que faz bem à experiência do espectador com a história, e que casa especialmente com essa quarta trama da série: no mesmo dia em que os militares do lado de fora do domo recebem ordens para deixar o local, um surto de meningite atinge a cidade, que sofre com a falta de médicos e antibióticos.

Claro, esse é só o contexto para vermos os personagens passando por histórias particulares: a relação cheia de segredos entre Julia e Barbie chega a um ponto crítico quando ela descobre que o ponto marcado no mapa que o moço deixava escondido era a casa do DJ da rádio local, Phil; Junior ganha ares de líder in the making ao ser incumbido pelo pai de vigiar a porta do hospital e não deixar ninguém sair de lá (palmas para a franca evolução da atuação de Alexander Koch desde o piloto); Linda reencontra uma professora de sua infância no auge da doença; e a mitologia da série fica por conta de Joe e Norrie (os ótimos Colin Ford e Mackenzie Lintz), que gravam uma de suas convulsões (“pink stars are falling”) e se assustam com os resultados.

“Outbreak” abre mais possibilidades do que as fecha, criando tensão em desfechos como Junior se tornando um policial e Big Jim encontrando a cela de Angie em seu porão. A linha mestra da série, com a história de Julia e Barbie, prefere manter o status para não desfazer a tensão tão cedo na narrativa. São escolhas inteligentes de uma série com plena consciência de suas maiores virtudes.

***** (5/5)

UNDER THE DOME

Próximo Under The Dome: 01x05 – Blue on Blue (22/07)

Caio

0 comentários: