27 de nov de 2013

Review: Mom, 01x10 – Belgian Waffles and Bathroom Privileges

104093_d0403b

ATENÇÃO: esse review contem spoilers!

Completando sua primeira dezena de episódios no ar, Mom está mais confortável com sua premissa e seus personagens do que qualquer série de Chuck Lorre já esteve. Semana após semana, é impressionante a consciência que a série tem de quem são essas pessoas em tela, e a forma delicada e gradual com a qual vai revelando novas facetas delas, nos levando a lugares novos e interessantes com sua trama. A Christy de Anna Faris é no momento uma das protagonistas de sitcom mais improváveis e imprevisíveis da televisão ameriana, e “Belgian Waffles and Bathroom Privileges” explora mais um lado dela sem cerimonias.

Na “trama” dessa semana (com aspas, porque Mom não faz muita questão de construir uma narrativa absolutamente estruturada), Christy se depara com o fato de que não há nada de absurdamente errado com sua vida no momento. Seus filhos estão felizes, o trabalho é ok, Bonnie vem sendo extremamente prestativa desde que se mudou para a casa da filha, e nada de muito maluco acontece para quebrar essa composição mais ou menos arranjada. O problema é que tudo isso a deixa muito frustrada, e a raiva que ela sente, talvez de si mesma, é direcionada toda a outras pessoas, seja a Bonnie ou a Baxter, o ex-marido que, depois de perder o apartamento, se muda para o quintal de Christy com sua vã.

Em certos momentos, dá para entender esse sentimento de Christy, principalmente porque Anna Faris o vende sem fazê-lo parecer patético ou imediatamente odiável, mas também porque a personagem de Allison Janney parece interferir um pouco demais nas questões da filha. Especialmente na subtrama da semana, que presumidamente vai se “completar’ nos próximos episódios, proque parte do nada e chega a lugar nenhum: Violet está sendo levada a frequentar a Igreja dos pais de Luke, o pai do seu bebê, e acaba se tornando uma crente que leva a Bíblia embaixo do braço. Ou quase isso. Sadie Calvano e os roteiristas trabalham juntos para não descaracterizar Violet nesse processo, e torná-lo compreensível como decisão de personagem.

Mom resvala na questão de Christy ter uma luta interna que nunca vai ser amenizada, especialmente nas cenas das reuniões do AAA, que aqui servem como uma ilustração e exposição do que a personagem está sentido. Mesmo quando vai tudo bem, Christy tem em si a necessidade de lutar contra o impulso do seu vício, e suas próprias memórias dele. “Belgian Waffles and Bathroom Privileges” é um episódio muito mais leve do que o da semana passada, naturalmente, mas é refrescante observar que Mom nunca perde de vista os lados sombrios de sua premissa. Isso faz do humor da série tanto algo mais natural quanto algo mais prazeroso. 

Observações adicionais:

- ‘Rejected!”

- Matt Jones está perfeitamente charmoso e engraçado como Baxter. Essa série deve uma participação maior – e algumas tramas próprias, talvez – a ele.

**** (4/5)

MOM

Próximo Mom: 01x11 – Cotton Candy and Blended Fish (02/12)

Caio

0 comentários: