1 de out de 2014

Você precisa conhecer: As batidas urbanas e o surpreendente lirismo de Beatrice Eli

Beatrice-Eli-Auslander-Inv2014

por Caio Coletti

Beatrice Eli é uma daquelas raras combinações de estilos e referências realmente surpreendentes no âmbito da música pop independente. Sueca de nascimento, a nacionalidade dividida com artistas como Robyn e iamamiwhoami leva a jovem Beatrice a manipular os sintetizadores com naturalidade de quem cresceu com referências do synthpop ao seu redor. Ele são a base de uma boa parte das poucas músicas que a moça lançou até agora, mas passam longe de ser a totalidade de sua experiência musical: some a eles o timbre profundo e sentido que não estaria fora do lugar em um clube de jazz esfumaçado; e feche tudo com as batidas urbanas que ecoam os melhores momentos de Ladyhawke e Lykke Li.

Se você for tomar a palavra da própria como referência, o som de Beatrice Eli é bastante influenciado por esse leque bem diferente de artistas: o medalhão do country/rock/folk Neil Young; a saudosa Amy Winehouse; a artista pop (e mentora do The Voice) Gwen Stefani; a celebradíssima lenda do soul Nina Simone; e Prince, que dispensa apresentações. Todos eles, segundo a artista sueca em sua entrevista para a Glamour, tem um estilo de composição “realista”, e ela ainda adiciona: “Eu também gosto de vozes interessante, e esses que eu mencionei tem uma identidade vocal muito marcante”. Ou seja, por mais que a produção impressione, letras e vozes são essenciais para Beatrice.

O primeiro boom da moça na comunidade musical foi o single “The Conqueror” (abaixo), que nos introduziu com gentileza ao mundo muito peculiar de Beatrice, explorando um visual noturno e urbano para emoldurar uma canção confessional sobre amor e rejeição. Logo em seguida, “It’s Over” (abaixo) chegou pegando mais pesado nas batidas e nos deixando cair de cabeça no visual escuro e cool da artista, que remete à cultura hip hop (porque a mistura ainda não estava interessante o bastante, é claro). O EP It’s Over, lançado em 2012, ainda tinha "Definite Mistake" e "Violent Silence".

Com a aproximação do lançamento do seu primeiro álbum completo de estúdio, Beatrice voltou a lançar música em 2014. O contrato com a gravadora Razzia vai render Die Another Day, disco de estreia que está marcado para 22 de Novembro próximo. Nós mal podemos esperar, especialmente ao ouvir as duas músicas já liberadas pela moça, com seus devidos vídeos.

“Girls” (abaixo) veio primeiro, mostrando que Beatrice estava disposta a fazer sua voz soar mais pop pelo bem de um som mais pulsante, que se conecta com as produções de artistas como Sky Ferreira e Charli XCX. O clima mais pesado do single seguinte, “Moment of Clarity” (abaixo), traz de volta a assinatura melódica que aprendemos a esperar de Beatrice. Ambos os clipes escancaram a homossexualidade da moça, o que a deixa mais confortável para criar visuais provocativos e interessantes.

Pra quem gosta de: Ladyhawke, Lykke Li, Robyn, Charli XCX

0 comentários: