9 de mai de 2015

Person of Interest 4x22: YHWH [Season Finale]

PERSON OF INTEREST

ATENÇÃO: esse review contem spoilers!

por Caio Coletti

Person of Interest é a história de uma luta pelo poder, mas não é a luta pelo poder que a maioria dos espectadores mais superficiais da trama da CBS devem pensar que é. Desde que abandonou a aura de procedural puro, na temporada passada, para se estruturar decisivamente como uma quase ficção científica em que as consequências de um mundo controlado por máquinas todo-poderosas eram examinadas de perto pelo roteiro, Person intensificou o debate ético e moral que sempre foi intrínseco a sua trama e nos colocou diante de verdadeiros dilemas entre a possibilidade de dominação dos impulsos mais mesquinhos da humanidade e a consideração pela vida acima de qualquer outra coisa. Durante todo o quarto ano, vimos colidir a visão utilitarista do Samaritan, cujo plano, descobrimos aos poucos e de forma bem críptica, era criar um mundo modelado a sua vontade e a sua visão do que seria melhor para nós, meros súbitos dessa nova divindade (o leitor deve ter notado que o título finale, YHWH, faz referência ao acrônimo pelo qual Deus é conhecido em hebraico antigo); com o humanismo da Machine de Finch, que foi “quebrada” por seu criador para entender que indiferente de qualquer impulso maligno, a liberdade humana está na própria fundação da nossa sociedade.

Essa disputa, sem dúvida, ocupou muito espaço na quarta temporada de Person, mas o grande trunfo de “YHWH” é que ele dialoga não só com os episódios que diretamente o precederam, mas com elementos importantes do restante da série também. Durante toda a terceira temporada, uma undercurrent incisiva nos mostrava que, muitas vezes, os seres humanos retratados por Person eram meramente peões do poder das duas máquinas formidáveis que os controlavam. Previsto lá no finale do segundo ano, “God Mode” (review), esse tema foi sutilmente revertido nessa quarta temporada, em que assistimos, do lado do #TeamMachine, os nossos protagonistas lentamente tomarem de volta o controle de suas próprias vidas, especialmente por estarem vivendo grande parte delas no “território-sombra” do Samaritan. Em “YHWH” não faltam momentos em que Reese, Root e Control encontram brechas na vigilância eterna e instruções rígidas das máquinas-divindades para não só escaparem pelas rachaduras mas, principalmente, expressarem ordens diretas a elas. Reese ordena que a Machine desligue as luzes e o ajude a eliminar os capangas de Samaritan, Root exige que a inteligência artificial ajude ela e Finch a fugirem de um apartamento em que são alvejados por um traficante de armas, e por aí vai.

Mais importante que tudo isso é o momento decisivo em que Finch e Root precisam agir com as próprias mãos para salvar a Machine da extinção, um contraste ruidoso com a autonomia que a entidade demonstrava uma ou duas temporadas atrás, quando era capaz de escapar das investidas de Samaritan, memoravelmente através de um processo de “mudança” auto-operado. “YHWH” mostra o outro lado da moeda também, com Samaritan manipulando as atitudes de Control para testar sua lealdade e essencialmente construindo aquele mundo “ideal” (seja qual for a ideia de uma inteligência artificial do que seria “ideal”) que vem planejando desde seu surgimento. A personagem da sempre ótima Camryn Manheim não encontra um destino agradável, mas é com crueldade e desdém que o roteiro de Dan Dietz (4x15, “Q&A” – review) e Greg Plageman (4x16, “Blunt” – review) retrata essa tentativa de criar uma sociedade em que o poder dominante não permite a existência de outsiders e pessoas com sede de contestar a autoridade.

No decorrer dos 22 episódios de mais uma temporada incrível, Person of Interest caminhou decididamente para um futuro que não vai deixar devendo, provavelmente, a nenhuma das distopias clássicas nas quais se inspira. 1984 e Fahrenheit 451, estamos olhando para vocês! A série da CBS cresceu tanto desde a sua estreia que ousa refletir, e com complexidade e competência exemplares, a temática mais fundamental desses e de outros clássicos da ficção científica. Embora, sim, tenhamos visto a luta pelo poder entre Samaritan e a Machine, a narrativa maior de Person retrata nada menos do que a disputa entre o humano e o artificial, os controles e vantagens que um tem sobre o outro.

✰✰✰✰✰ (5/5)

960

Apesar da CBS não ter confirmado, Person of Interest provavelmente deve voltar para uma quinta temporada.

0 comentários: