29 de jun de 2015

Nossos 12 personagens LGBT favoritos da TV e porque eles merecem destaque

download

por Caio Coletti

Séries de TV não são só a maior mania do momento: são também um indicador impressionantemente preciso (se você conseguir lê-lo corretamente) do ambiente cultural da nossa época. É a mídia mais massivamente acessível tanto aqui quanto nos EUA, e as redes sociais (e o Netflix) só fazem aumentar ainda mais esse alcance e a quantidade de discussões sobre as obras de ficção produzidas na TV. Bacana notar, portanto, que os personagens LGBT vistos sob uma luz simpática (ou, ao menos, bastante humana) são presença antiga nas séries, especialmente à luz da recente onda de apoio e comemorações graças a aprovação do casamento gay nos EUA. Aqui vai uma lista de 12 dos(as) nossos(as) preferidos(as) para refletir o tamanho da influência do showbusiness sobre o comportamento de todos nós.

1362225339610099_animate

Lana Winters (Sarah Paulson) em American Horror Story: Asylum

Nós já falamos bastante da Lana aqui n’O Anagrama, especialmente na nossa lista de bons personagens de AHS que não foram feitos por Jessica Lange, mas seria omisso da nossa parte não incluir a feroz repórter interpretada por Sarah Paulson no hall da fama queer da televisão. Ainda que tenhamos passado só 12 episódios com ela, Lana foi importante porque Asylum usou-a para expor a forma brutal como muitos pacientes de sanatórios foram “tratados” da homossexualidade – a cena da terapia de aversão/conversão, em que Lana é induzida a passar mal enquanto olha para fotos de mulheres nuas, é particularmente marcante. A série não permitiu que a personagem fosse quebrada pelas tribulações que passou, embora Paulson carregue bem, na atuação, as cicatrizes e lembranças da Lana “do futuro” nas últimas cenas do finale. O ponto maior, no final das contas, foi mostrar que qualquer tipo de intolerância e preconceito tem raízes culturais profundas, e contestar até que ponto a forma como vemos o mundo é condicionada pela época em que vivemos.

#LoveWins: Vemos a Lana com duas mulheres lindas durante a série – primeiro com Wendy Peyser, a professora feita pela maravilhosa da Clea DuVall; e depois, quando já mais velha, com a Marion, feita em uma pequena participação pela Joan Severance.

tumblr_nkcxq3JbY61u5351mo1_400

Jamal Lyon (Jussie Smollett) em Empire

O fenômeno cultural que foi a primeira temporada de Empire abriu várias discussões e colocou uma série feita e protagonizada por negros (e falando sobre hip hop) numa posição de destaque dentro da programação de uma emissora de TV aberta americana. Correndo por fora desse feito já bastante impressionante, a trama criada por Lee Daniels e Danny Strong (que, aliás, formam um casal fofíssimo) enfrentou sem medo uma das questões mais polêmicas dentro da comunidade do hip hop: a homossexualidade. A trajetória do personagem de Jussie Smollett para enfrentar o preconceito do pai e as pressões que o começo de sua própria carreira musical trazem no sentido de “se assumir” para o público foi tratada pela série com a mesma sensibilidade novelesca que as outras storylines da temporada, o que significa também que a história de Jamal foi passada de forma acessível e com muita credibilidade. Sem contar que ter um ator assumidamente gay no papel ajuda na identificação com o público e traz peso à história de combate à intolerância dentro do hip hop.

#LoveWins: Jamal começou a história com o namorado latino Michael, interpretado pelo Rafael de la Fuente. Depois da separação, no entanto, ele se arranjou bem com Ryan, o documentarista interpretado pelo Eka Darville.

amy faking it

Amy Raudenfeld (Rita Volk) em Faking It

Uma das séries mais bacanas da MTV atualmente, Faking It se prepara para a terceira temporada bem estabelecida como uma história bonita sobre amizade e o processo de auto-descobrimento. Amy e Karma são o “casal” principal da série, uma dupla de melhores amigas que, na escola ultra-liberal em que estudam, tem a ideia de se passar por um casal lésbico para se tornarem mais populares. Acontece que Amy, interpretada pela ex-modelo (e natural do Uzbequistão!) Rita Volk, acaba descobrindo que sente mesmo atração pela BFF – e, com o tempo, que é bissexual. As revelações e mal-entendidos vão se acumulando nas duas temporadas que a série apresentou até agora, equilibrando bem comédia e drama e explorando as mudanças na relação das duas protagonistas ao mesmo tempo que traz uma visão bem-humorada e inteligente de uma história de auto-conhecimento. Ajuda o fato de que Volk é uma atriz surpreendentemente carismática, e que a série explore todos os lados do espectro de reações que uma descoberta de sexualidade pode provocar ao redor de alguém.

#LoveWins: Demorou para Amy superar a paixonite pela melhor amiga (a relação das duas continua complicada, na verdade), mas no final da segunda temporada ela se juntou à estilosa Reagan, interpretada pela Yvette Monreal.

Grace-and-Frankie-1x03-Sol-Robert

Robert Hanson (Martin Sheen) em Grace and Frankie

Apesar de dever seu título a dupla de divas feitas por Jane Fonda e Lily Tomlin, a comédia do Netflix sobre dois casais que se separam porque os maridos revelam ter um caso extra-conjugal (um com o outro) é tanto sobre a adaptação enfrentada por Robert e Sol quanto sobre o recomeço da vida das personagens-títulos. Só de mostrar (e sem muitos pudores) o relacionamento de um casal gay mais velho e ousar não julgá-los por se revelarem mais tarde na vida e prejudicarem as ex-esposas no processo Grace and Frankie já merece destaque, mas o mais legal é que a série ainda constrói personalidades nada estereotípicas para os dois, para a relação que eles tem e para as dificuldades que enfrentam com a família e fora dela quando finalmente se assumem. Escolhemos o Robert em especial porque ele é nosso preferido, e porque Martin Sheen o interpreta sem medo de fazê-lo terrivelmente falho (o protótipo do business man americano de gerações passadas), abrindo espaço para que ele se torne um personagem muito mais complexo do que poderia ser nas mãos de outro ator.

#LoveWins: Até onde sabemos, o grande amor da vida de Robert é mesmo Sol, interpretado pelo Sam Waterson, mas ele confessou já ter ficado também com um amigo do casal, feito pelo Michael Gross.

tumblr_m17qitnyGr1qjuuqbo1_500

Mitchell Pritchett (Jesse Tyler Ferguson) em Modern Family

Sim, o beijo demorou bastante, e Modern Family ainda é muito reservada quanto aos momentos de afeição entre Mitch e Cam, mas não dá para subestimar o valor de ter um casal gay no centro de uma das séries mais populares e vistas do nosso século. O que muita gente parece perder também, enquanto reclama da suposta timidez da ABC quanto ao romance homossexual (algumas outras séries da emissora foram acusadas do mesmo crime), é que a série faz um trabalho perfeito em caracterizar os dois da mesma forma como faz com todos os outros personagens: cheios de defeitos que nem sempre são “adoráveis” ou “bonitinhos”, e que causam conflitos que, embora usados como munição para o humor da série, refletem também o quanto o cotidiano e a navegação de relacionamento do casal gay é semelhante àquela do casal heterossexual. Interpretado por um ator abertamente gay, Mitchell foi o nosso escolhido porque desafia os estereótipos gays (e, ao mesmo tempo, mostra que não há nada de errado com eles) e porque protagonizou, nesses seis anos, algumas das tramas mais pungentes sobre a relação de um filho gay com o pai.

#LoveWins: É claro que Mitchell é metade do gay power couple mais maravilhoso da TV americana, mas conhecemos, na quarta temporada, o que Cam disse ser “o único ex-namorado importante” do parceiro – Dr. Teddy, interpretado pelo Larry Sullivan.

tumblr_mk21nichlP1rijbg1o1_500

Josh (Josh Thomas) em Please Like Me

É fácil dizer que Looking é o Girls para homens gays – mesma emissora, mesmo horário de exibição nos EUA, mesmo gênero meio-comédia-meio-drama. Conforme as duas séries foram progredindo, no entanto, ficou claro que elas tinham muito pouco em comum além dessas características básicas, e quem assiste a australiana Please Like Me sabe que a criação de Josh Thomas tem muito mais a ver com a de Lena Dunham do que Looking. Para começar, no centro de Please Like Me está o personagem do criador, criado com uma série de problemas parecidos com aqueles enfrentados por Hannah em Girls; além disso, o humor de Thomas nos roteiros faz pelo mundo gay o mesmo que Dunham fez pelo mundo de garotas excêntricas de classe média. Josh, o personagem, é uma criatura de hábitos e vícios, mas é essencialmente alguém com quem qualquer pessoa pode se identificar, uma celebração ambulante da diferença que navega as pequenas tragédias da vida com um toque de bom humor (mas nem por isso passa incólume por ela).

#LoveWins: A vida sexual movimentada do protagonista nessas duas temporadas incluiu Geoffrey, personagem feito pelo lindinho do Wade Briggs; Patrick, feito pelo Charles Cottier; e Arnold, interpretado pelo maravilhoso Keegan Joyce.

nomi marks also we

Nomi Marks (Jamie Clayton) em Sense8

Não faz muito tempo que Sense8 estreou, mas a trama dos Wachowski chamou a atenção graças ao seu inclusivo espectro de personagens. A série tem um casal gay (os latinos Lito e Hernando) que usa para discutir preconceito no mundo do entretenimento, personagens de um leque amplo de etnias e a transsexual Nomi, interpretada pela Jamie Clayton, que havia estado em Hung, da HBO. A série já ganha muitos pontos de credibilidade por escalar uma atriz realmente transsex para fazer a personagem, e o mais legal é que essa sintonia funciona no sentido de que Clayton traz para Nomi uma camada a mais de sinceridade do que qualquer outro ator ou atriz cisgênero conseguiria. A personagem é portadora de discursos e mensagens poderosas durante o curso da primeira temporada, e Clayton faz esse peso parecer um fardo natural para se carregar – há algo de mais verdadeiro em seu orgulho, em sua dúvida, em sua mágoa da família e em sua afeição pela namorada Amanita. Em tempos que inclusão é um assunto discutido mais largamente do que jamais foi, Nomi é um sinal que estamos definitivamente no caminho certo.

#LoveWins: Nomi e a namorada Amanita, feita pela linda da Freema Agyeman, são um dos casais mais legais da TV atualmente.

tumblr_mr4jb1OrDK1sdwxwdo1_500

Danny Mehealani (Keahu Kahuani) em Teen Wolf

Já no segundo episódio da primeira temporada de Teen Wolf conhecemos Danny, colega de escola dos protagonistas da série da MTV. E de fato a primeira informação que aprendemos sobre o personagem de Keahu Kahuani é que ele é gay – e que isso não parece ser nenhum grande problema na escola onde se passa a trama. Conforme o personagem foi ganhando a preferência dos fãs, os roteiristas deram mais espaço para Danny crescer e se desenvolver tanto na questão da sua sexualidade quanto na relação bem-humorada que tem com os amigos. Como o outro personagem homossexual relevante da série (o lobisomem Ethan), Danny é apresentado como um atleta que não tem nada do estereótipo gay – é bacana ver que a televisão tem espaço para um personagem interessante não por sua sexualidade, mas por sua função na dinâmica da trama. Durante as 4 temporadas da série até agora, Stiles (Dylan O’Brien) foi presenteado com uma série de quotes questionadores sobre expressão de sexualidade, mas foi Danny que esteve lá representando de verdade a comunidade gay em uma das séries adolescentes do momento.

#LoveWins: Apesar de termos visto o ex-namorado de Danny só brevemente no episódio “Formality”, da primeira temporada, no terceiro ano da série ele engatou um relacionamento com Ethan, um dos gêmeos-alfas, interpretado pelo Charlie Carver.

giphy

Stuart Bixby (Derek Jacobi) em Vicious

A relação venenosa/amorosa do casal gay interpretado pelos veteranos Derek Jacobi e Ian McKellen na série britânica Vicious não é só a matéria-prima para a melhor sitcom no ar atualmente, mas também um retrato esperto e necessário da forma como o amor homossexual amadurece de forma muito parecida com o amor hétero. O fato de que ambos os atores escalados estão entre os mais proeminentes e antigos ativistas da causa gay dentro do mundo do entretenimento só ajuda a tornar Vicious uma peça que precisa ser prestigiada e celebrada muito mais do que é atualmente, meio escondida na ITV (talvez a emissora britânica menos conhecida fora da Inglaterra). Escolhemos Stuart principalmente porque não conseguimos resistir a um underdog – enquanto Freddie (e Ian) é naturalmente o destaque da série, com sua personalidade maior-que-a-vida, Stuart (e Derek) equilibra as coisas com um humor mais sutil, responsivo e igualmente ácido. Sem contar que, vamos ser sinceros, é por causa de Stuart que o apartamento do casal sempre parece tão gloriosamente decadent.

#LoveWins: Não chegamos a conhecer nenhum dos ex-namorados de Stuart na série, se é que ele teve algum antes de Freddie, interpretado, é claro, pelo Ian McKellen.

adam

Max Blum (Adam Pally) em Happy Endings

Poucas séries com cancelamentos prematuros foram mais lamentadas do que Happy Endings, comédia da ABC que estreou como azarão na mid-season de 2011 e atraiu críticas para lá de positivas, o que influenciou a emissora a pedir mais duas temporadas – mas não foi o bastante para segurar a baixa audiência, levando ao cancelamento no terceiro ano. Um dos aspectos mais bacanas da série, que subvertia a fórmula de Friends ao mostrar seis amigos de humor bem particular que vivem em Chicago, era a construção do personagem Max Blum, interpretado pelo Adam Pally. Apresentado logo no início da série como “um cara hétero que gosta de homens”, Max é refrescante como personagem pelo mesmíssimo motivo que seus amigos: há algo de claramente errado na forma como ele leva a sua vida, e Happy Endings se recusa a consertá-lo. Desempregado, bagunceiro e com alarmante falta de higiene, Max não é só um dos personagens gays mais anti-estereótipo da memória recente, mas um dos elementos mais engraçados de uma sitcom notavelmente hilária.

#LoveWins: A maioria dos “relacionamentos” de Max não dura mais do que um episódio, mas um arco maior foi dedicado à Grant, interpretado pelo James Wolk, um ex com o qual o personagem se reconectou em determinado ponto da segunda temporada.

gXxFg05

Eddie (Daniel Franzese) em Looking

Looking não era uma série perfeita. A criação de Andrew Haigh e Michael Lannan tinha falhas de sobra, seja na sua trama romântica convoluta ou na construção limitante de seus personagens, que em grande parte permaneciam confinados a um punhado de características básicas. Ela era também, no entanto, um espaço importante de representatividade dentro da TV americana, uma série que escalava apenas atores gays ou (no caso do veterano Scott Bakula) apoiadores de longa data do movimento LGBT, e que trazia, querendo ou não, o cotidiano de personagens homossexuais para um contexto de “dramédia” muito identificável e envolvente. Ótimo exemplo disso é o personagem Eddie, interpretado pelo Daniel Franzese, conhecido de longa data dos espectadores gays por seu papel no cult Meninas Malvadas – o personagem representava uma parcela da comunidade gay poucas vezes trazida para a ficção (os “bears”), fugia do padrão de beleza que a TV parece impor a todos os seus personagens e ainda trazia a discussão do HIV para dentro de uma série que não podia nem devia mais fugir desse assunto (Eddie era HIV positivo).

#LoveWins: Visto que só tivemos alguns episódios para conhecer Eddie, por hora o único relacionamento que ele engatou foi com Agustín, feito pelo Frankie J. Alvarez.

tumblr_inline_mgpsx8nQdB1rvo8ws

Captain Jack Harkness (John Barrowman) em Doctor Who/Torchwood

Atualmente empregado em Arrow, John Barrowman teve o auge da sua carreira (e não aceitamos discussão quanto a isso) quando marcou o personagem do Capitão Jack Harkness, primeiro em alguns episódios de Doctor Who e depois no spin-off Torchwood, no qual ganhou o papel protagonista. Além de ser um homem imortal que é capaz de viajar no tempo e combater alienígenas com muito estilo (!), Jack é notavelmente o personagem mais panssexual da televisão. Humanos (homens e mulheres), time lords e qualquer outra espécie maluca que saia da mente dos produtores da série são prontamente flertadas pelo Capitão, mesmo quando ele está engatado num romance com a sua alma gêmea seu colega de trabalho Ianto Jones. O fato que Barrowman carrega esse lado da personalidade do personagem para as suas aparições públicas também ajuda a construir o carisma e a influência de Jack, um dos heróis mais falhos e bacanas da TV de ficção científica.

#LoveWins: As conquistas do Capitão Jack são tantas que fica difícil contar – ele beijou o Nono Doctor (Christopher Eccleston), a companheira de Torchwood Gwen Cooper (Eve Myles), engatou relacionamento com o italiano Angelo (Daniele Favilli) em um flashback de 1927, e com o também colega de trabalho Ianto (Gareth David-Lloyd).

0 comentários: