6 de jan de 2018

Diário de filmes do mês: Dezembro/2017

Downloads7

por Caio Coletti

Nem todos os filmes merecem (ou pedem) uma análise complexa como a que fazemos com alguns dos lançamentos mais “quentes” ou filmes que descobrimos e nos surpreendem positivamente. É levando em consideração a função da crítica e da resenha como uma orientação do público em relação ao que vai ser visto em determinado filme que eu resolvi criar essa coluna, que visa falar brevemente dos filmes que não ganharam review completo no site. Vamos lá:

dunkirk

Dunkirk (Inglaterra/Holanda/França/EUA, 2017)
Direção e roteiro: Christopher Nolan
Elenco: Fionn Whitehead, Mark Rylance, Kenneth Branagh, James D’Arcy, Barry Keoghan, Harry Styles, Aneurin Barnard, Tom Hardy, Cillian Murphy
106 minutos

Em muitos sentidos, Dunkirk é a prova cabal que Christopher Nolan não escuta (ou não lê) suas próprias críticas. Dilacerado frequentemente por não criar envolvimento emocional o bastante com seus personagens em meio a tramas cronológica e mecanicamente complicadas, Nolan escolheu abordar o gênero do filme de guerra de um ponto de vista mais visceral do que emocional. Dunkirk é uma bela história de solidariedade em meio a um conflito brutal, mas a trama criada por Nolan, dividida em várias frontes diferentes que se passam em tempos diversos, eventualmente se juntando no final, é um mecanismo imediatamente reconhecível e personalíssimo, que funciona com a exatidão de um relógio, e não o coração acelerado de filmes como O Resgate do Soldado Ryan ou Platoon, clássicos do gênero. Em pouco mais de 1h40, Nolan acompanha um soldado (Fionn Whitehead) preso na praia de Dunkirk com milhares de ouros, sendo constantemente atacados pelos alemães; um aviador (Tom Hardy) tentando impedir que os artilheiros nazistas sigam com o ataque na praia; um cidadão comum (Mark Rylance) voluntariando seu barco pessoal para resgatar soldados; e um comandante (Kenneth Branagh) tendo que tomar decisões difíceis para salvar seus comandados. Dunkirk define esses personagens em traços simples e bem definidos, e encara suas jornadas com o bom sendo de honrá-las e até celebrá-las, mas não se preocupa em realmente conhecê-los – o que não deixa de ser, inevitavelmente, um defeito.

Talvez por isso, apenas atores supremamente talentosos são bem sucedidos em envolver o público na jornada de seus personagens – no caso, Rylance e Hardy, que criam personas excêntricas e identificações imediatas com o público, mesmo sem a ajuda expressa do roteiro que interpretam. Já em outras dimensões técnicas, Dunkirk é, pura e simplesmente, perfeito. O infalível diretor de fotografia Hoyte Van Hoytema retira imagens inacreditáveis do épico árido de Nolan, capturando a grandiosidade da produção tanto quanto a beleza estranha que existe na brutalidade das condições que esses soldados precisam enfrentar. Hans Zimmer deixa os sintetizadores e órgãos de lado para criar uma trilha sonora urgente e essencial para manter o espectador ligado no filme, especialmente nos momentos em que as falhas do roteiro ficam mais visíveis (o relógio de Nolan nem sempre mostra a hora certa, afinal). O trabalho com o som do filme, além da edição de Lee Smith, criam uma costura inteligente e um ritmo eficiente a partir de um material original que vive e morre por essas duas coisas.

Dunkirk vai merecer a indicação a Melhor Filme que conquistará no Oscar 2018 – como cinema puro, é uma realização e tanto de excelência, e o trabalho indubitável de um dos autores mais reconhecíveis (e reconhecidos) da atualidade. Não mereceria, no entanto, se vencesse na categoria. Cinema, afinal, é mais do que técnica, e como contador de histórias Nolan ainda precisa refinar sua arte.

✰✰✰✰✰ (4,5/5)

v

Valerian e a Cidade dos Mil Planetas (Valerian and the City of a Thousand Planets, França/China/Bélgica/Alemanha/EAU/EUA, 2017)
Direção: Luc Besson
Roteiro: Luc Besson, baseado nos quadrinhos de Pierre Christin, Jean-Claude Mézières
Elenco: Dane DeHaan, Cara Delevingne, Clive Owen, Rihanna, Ethan Hawke, Herbie Hancock, Rutger Hauer
137 minutos

Eu queria muito amar Valerian e a Cidade dos Mil Planetas. Com um financiamento curioso de filme indie (o diretor Besson recolheu o dinheiro para seu alto orçamento de quase 10 fontes e investidores diferentes), a proposta de ser baseado em uma história em quadrinhos clássica que se tornou referência admitida para sagas como Star Wars, e o espírito criativo de Luc Besson, Valerian era o tipo de blockbuster “zebra” pelo qual era fácil torcer. A realidade do filme não é tão diferente dessa expectativa, no final das contas – Valerian é mesmo um filme estonteantemente inventivo, curiosamente único, que joga o espectador de para-quedas em um universo desconhecido e complicado, além de uma relação cheia de particularidades entre seus protagonistas. É uma obra genuína de arte, porque reflete a sensibilidade de seu criador ao invés de se submeter à mesmice do arrasa-quarteirão hollywoodiano – é um longa bravamente europeu, pode se dizer. Não é um grande filme de ficção científica, no entanto. Tão magistral em sua manipulação de gênero quanto descuidado em sua confiança em arquétipos, Beeson constrói uma narrativa cansada dentro de seu mundo impressionantemente inovador, criando por exemplo (ainda que seja no instinto de fidelidade aos quadrinhos) uma relação adversária entre seus dois protagonistas para depois jogá-los nos braços um do outro, com a personagem feminina responsável por “ensinar” para o aventureiro mulherengo inveterado o significado do amor romântico.

Por falar no tal aventureiro, é surpreendente o charme de Dane DeHaan em um papel completamente oposto aos esquisitões e almofadinhas que normalmente interpreta no cinema. Impetuoso, beligerante e conquistador exatamente como o roteiro pede, ele é um Valerian perfeito para a história de Besson, que se concentra em um suposto ataque a uma estação espacial intergaláctica que une humanos, humanoides e diversas outras espécies de alienígenas. Cara Delevingne não é uma grande atriz (aliás, muito longe disso), mas a personagem carismática lhe serve melhor que, por exemplo, a vilã esquecível de Esquadrão Suicida; já Rihanna mostra mais uma vez que tem futuro como atriz se insistir o bastante e aprender o bastante com cada novo projeto.

No fim das contas, Valerian é uma “aventura old school”, como esses filmes gostam de se chamar nas campanhas de marketing, em todos os sentidos possíveis – ele remete a uma época em que o cinemão hollywoodiano de ficção científica se permitia mais inventividade e vibração, mas também a uma época em que elaborações simplórias e nocivas de roteiro eram o bastante para envolver a plateia. Seu gosto pelo filme é diametralmente proporcional ao seu desgosto pelo típico blockbuster atual, e seu incômodo por determinados elementos viciosos (ou virtuosos) dele.

✰✰✰✰ (3,5/5)

mud

Mudbound (EUA, 2017)
Direção: Dee Rees
Roteiro: Dee Rees, Virgil Williams, baseados no livro de Hillary Jordan
Elenco: Garrett Hedlund, Jason Mitchell, Carey Mulligan, Jason Clarke, Jonathan Banks, Rob Morgan, Mary J. Blige
134 minutos

Há algo de profundamente instintivo em Mudbound, terceiro longa metragem da diretora Dee Rees (Pariah, Bessie) – o cinema de Rees é naturalmente imbuído desse instinto, um tipo visceral de criatividade que conjura do ar uma sinergia com o espectador e com a história que vemos em tela. Em Mudbound, essa história compreende dois soldados (Garrett Hedlund e Jason Mitchell) que retornam da Segunda Guerra Mundial para o sul dos EUA, onde as tensões entre negros e brancos continuam em um clima pré-direitos civis. É um filme sobre a humilhação da servidão – e uso essa palavra porque é um filme que explora as indignidades que continuaram a acontecer mesmo após a abolição da escravatura – tanto quanto é sobre os mecanismos de sobrevivência em um tempo de opressões mais discretas do que costumavam ser. Em suma, é uma história que precisa ser ouvida na década em que nos encontramos, quando mitos e ilusões sobre nossa própria evolução social estão sendo derrubados por demonstrações horrendas de violência, preconceito e ressentimento. Em Mudbound, Dee Rees encara de frente um grupo de personagens a quem não se permite a completude, e corajosamente expõe as partes que eles escondem do mundo para sobreviver.

Em alguns momentos, o colossal material adaptado do livro de Hillary Jordan parece um pouco demais para Rees e sua câmera à flor da pele lidarem – mas, curiosamente, isso não se traduz em defeito ou em desleixo artístico. Ao invés disso, o senso de caos nos momentos em que a narrativa parece dois passos a frente da câmera de Rees cria um sentimento de urgência e uma noção da magnitude das mensagens e da força emocional do filme que não teríamos de outra forma – calculadamente ou não, Rees cria um filme perfeito ao não esconder as imperfeições de um trabalho hercúleo. O elenco brilha nessa mesma sintonia, em especial Jason Mitchell, Mary J. Blige e Carey Mulligan, que constroem personagens expressivos em suas próprias características – da Laura de Mulligan na fragilidade, a Florence de Blige na resiliência, e o Ronsel de Mitchell em seu refrescante senso de rebeldia e autonomia.

Mudbound não foge de seu final trágico, ou das consequências amargas dele. É um conto afiado como navalha, que Rees maneja ao lado de trabalhos sóbrios e belíssimos de trilha sonora (Tamar-Kali), fotografia (Rachel Morrison) e figurino (Michael T. Boyd). É um pedaço de cinema único e fundamental, que, como de costume, merece mais atenção do que vai receber das grandes premiações do ano.

✰✰✰✰✰ (5/5)

guerra

A Guerra dos Sexos (Battle of the Sexes, Inglaterra/EUA, 2017)
Direção: Jonathan Dayton, Valerie Faris
Roteiro: Simon Beaufoy
Elenco: Emma Stone, Steve Carell, Andrea Riseborough, Natalie Morales, Sarah Silverman, Bill Pullman, Alan Cumming, Elizabeth Shue, Eric Christian Olsen, Fred Armisen
121 minutos

Nunca é o bastante dizer o quanto os talentos de Jonathan Dayton e Valerie Faris como cineastas são subestimados por conta do tipo de filmes que eles fazem. Surgidos no cenário cinematográfico com o seminal (sim, seminal) Pequena Miss Sunshine, a dupla de diretores é dona de uma sensibilidade quieta e uma excelência e elegância que não sente a necessidade de se esfregar na cara do espectador o tempo todo. É o tipo de cinema que se torna cada vez menos apreciado em um cenário de Christopher Nolan’s e Darren Aronofsky’s (ambos indiscutivelmente talentosos), autores particularíssimos que jogam com cartas mais bombásticas, polêmicas ou extravagantes. O cinema excepcionalmente inteligente de Dayton & Faris, que sempre lida com questões sociais e interpessoais profundas e essenciais para a nossa época, passa largamente despercebido nesse ambiente da indústria, e A Guerra dos Sexos é mais um exemplo perfeito de que isso não pode continuar acontecendo. Como cinema, o longa toma todas as decisões corretas, criando um produto que não é só “redondinho” ou “acadêmico” (em alguns sentidos, nem mesmo é essas coisas), mas sutil, eficaz e envolvente, que demonstra expertise em deixar o espectador imergir no mundo construído por ele.

A trama aborda o confronto real entre Billie Jean King (Emma Stone) e Bobby Riggs (Steve Carell) – ela, número um do mundo entre as mulheres; ele, um tenista aposentado que também havia sido número 1, e que para manter a relevância na mídia resolveu desafiar “qualquer jogadora do circuito feminino” para um confronto. A vitória histórica de Billie Jean não é, como muitos críticos da partida apontam até hoje, sobre mulheres serem superiores em força ou técnica aos homens do tênis – mas sim sobre sua luta simbólica (por respeito) e concreta (por pagamento igualitário) dentro do esporte. O roteiro de Simon Beaufoy comunica isso de forma exemplar, uma mensagem elaborada nos detalhes e entrelinhas das interações de King e Riggs, da construção de personagem dele, dos pormenores da vida pessoal dela, que explorava sua sexualidade na época. É um trabalho completo e inteligente de roteiro, que desenha personagens sólidos e os conduz pela história real que retrata com o equilíbrio certo de verdade e ficção.

Emma Stone e Steve Carell abrilhantam um filme que não carece de brilho. Stone está melhor aqui do que em sua performance oscarizada em La La Land, um mérito para sua atuação aqui, e não um demérito para sua atuação lá – estruturando uma personagem única dentro de seus maneirismos usuais, Stone encontra o tom subliminar certo para expressar a rebeldia de Billie Jean, e toma posse de uma cena perto do final do filme em que vemos a jogadora sozinha, em seu vestiário, para se comunicar com o espectador através de um carisma inacreditável. Essa não é a escolha de papel mais convencional para quem acabou de vencer um Oscar pela ingénue do musical moderno mais academicamente bem-sucedido de Hollywood, e esse desafio à convenção sem dúvida é algo que faz a Billie Jean King de verdade sorrir quando assiste A Guerra dos Sexos.

✰✰✰✰✰ (4,5/5)

bingo

Bingo: O Rei das Manhãs (Brasil, 2017)
Direção: Daniel Rezende
Roteiro: Luiz Bolognesi, Fabio Meira
Elenco: Vladimir Brichta, Leandra leal, Tainá Muller, Ana Lúcia Torre, Pedro Bial, Domingo Montagner
113 minutos

Em sua dimensão mais fundamental, Bingo: O Rei das Manhãs é sobre o ofício muito particular de um ator. Na pele de Augusto Mendes, Vladimir Brichta entende que interpreta um ator cujo talento mais essencial é encontrar a veia do inconsciente coletivo que corre pela cultura popular em seu momento histórico específico. O exercício de relaxamento de Mendes, que vemos em vários momentos do filme antes dele entrar em cena, é simbólico – ele se desprende das tensões de sua vida diária para entrar em contato com algo mais profundo, uma habilidade iconoclasta que é marca de muitos (se não todos os) grandes atores. Vale começar dizendo que, nesse sentido, Brichta é o motivo pelo qual o filme de Daniel Rezende alça voo ao invés de se estatelar no chão – o intérprete conjura novidade dos detalhes de uma jornada de ascensão e queda que já foi contada centenas de vezes no cinema. É uma performance que merece a mal utilizada classificação de tour de force mais do que qualquer outra desse ano, porque a intensidade do ator é o que carrega Bingo para além de sua excelência técnica, em direção de uma conversa mais profunda e transformadora com o espectador.

Vale dizer, também, que a tal “veia do inconsciente coletivo” que Mendes, o ator de pornochanchadas que virtualmente cria o papel do palhaço mais popular das manhãs da TV brasileira (o filme é uma versão disfarçada da história de Arlindo Barreto, o primeiro Bozo), consegue acessar na pele de seu novo personagem é uma de rebeldia “sacana”, incorreção política e “malandragem” que virou sinônimo com o espírito brasileiro – para o bem ou (mais provavelmente) para o mal. A grande virtude do roteiro de Luiz Bolognesi e Fabio Meira talvez seja não fugir desse detalhe importante de sua história, moldando tanto o protagonista quanto a trama para sublinhar o clima pós-ditadura militar que recriou o gosto pela subversão de autoridade no público brasileiro. Uma pena que esse mesmo espírito de subversão não toque os próprios roteiristas, que se acomodam a padrões familiares, por exemplo, na construção das personagens femininas e no retrato hedonista dos excessos de seu protagonista.

Bingo compensa essa falha com uma excelência técnica que simboliza a potencialidade do cinema brasileiro. Rezende, editor de mão cheia que até ao Oscar foi indicado (por Cidade de Deus), estreia na direção com o faro e a ousadia de um profissional experiente – cheio de cenas de delírio e interlúdios banhados em neon e espírito de galhofa, Bingo é belamente encenado, com uma direção de arte (Cassio Amarante) certeira e grandiosa, uma versátil e impressionista fotografia (Lula Carvalho) e uma edição sintonizada com o clima do filme (Marcio Hashimoto). Por mais um ano, o cinema brasileiro impressiona ao produzir histórias distintamente nacionais com uma sensibilidade igualmente nossa, e a excelência artística implacável que aprendemos a esperar.

✰✰✰✰✰ (4,5/5)

tonya

Eu, Tonya (I, Tonya, EUA, 2017)
Direção: Craig Gillespie
Roteiro: Steven Rogers
Elenco: Margot Robbie, Sebastian Stan, Allison Janney, Julianne Nicholson, Paul Walter Hauser, Bobby Cannavale
119 minutos

O diretor Craig Gillespie e o roteirista Steven Rogers pouco tem a ver com a inovação óbvia de Eu, Tonya e a eficiente mistura de gêneros que o filme cria – ou melhor, apesar de suas melhores tentativas (e não são trabalhos ruins, de nenhum dos dois), não são eles que fazem o trabalho pesado na criação dessa excêntrica comédia de humor negro que encontra surpreendente pungência em sua história sobre fama, abuso e a natureza da verdade. Ao invés disso, o grosso do trabalho fica com a editora Tatiana S. Riegel, que injeta um ritmo particular ao filme de Gillespie, intercalando suas longas e vertiginosas tomadas acompanhando os personagens com recursos como a câmera lenta, o corte abrupto para ângulos curiosos (muito bem escolhidos pelo cinematógrafo Nicolas Karakatsanis), a mistura em dose certa de narração em off com entrevistas diretamente para a câmera e quebras da quarta parede. Aperfeiçoando o roteiro já afiado de Rogers e injetando personalidade na direção já competente de Gillespie, Riegel é argumentadamente a grande autora de Eu, Tonya, e é delicioso ver uma editora no topo de suas habilidades costurando um filme marcante e notável a partir de materiais brutos promissores, mas nunca excepcionais.

Eu, Tonya é a história real de Tonya Harding (Margot Robbie), patinadora de talento excepcional que ficou infame pelo ataque a uma competidora, Nancy Kerrigan, pouco antes das Olimpíadas de Inverno de 1994. O filme é contado de diversos pontos de vista, montando uma comédia de erros e enganações estúpidas em torno de Tonya, seu marido Jeff Gillooly (Sebastian Stan), sua mãe Lavona (Allison Janney) e seu guarda-costas, Shawn (Paul Walter Hauser). A complicada e contraditória “versão dos fatos” dada por cada um deles, e por alguns outros personagens nessa história, é parte da brincadeira – Eu, Tonya é em parte sobre a forma como a celebridade, o próprio ato de contar (e recontar, e recontar, e recontar) uma história é capaz de mudá-la para muito além de qualquer semelhança com a verdade.

Uma Margot Robbie vibrante emerge como Tonya, elaborando suas emoções complexas em cenas que exploram sua expressividade como nenhum outro papel de sua carreira até agora - mas, muito especialmente, Robbie é excelente em expressar a fúria ressentida que define a Tonya do filme. Fúria pelo seu tratamento no esporte que “escolheu”, furia que é reação direta ao abuso sofrido na infância e na vida adulta, mas também fúria que a compele em uma cruzada que um olhar contemporâneo à história de Tonya sem dúvida julga como justa. É a mesma fúria que Janney brilhantemente esconde em sua Lavona, sublimada por baixo de décadas de decepções e de “fazer o que é preciso” para sobreviver. Em última instância, Eu, Tonya, por baixo do humor caricato, mostra duas das mulheres mais reais e completas do cinema em 2017 – só por isso, já merece ser assistido.

✰✰✰✰ (4/5)

0 comentários: