10 de mar de 2018

Os 15 melhores álbuns de 2017

Downloads6

Olha só quem chegou ligeiramente menos atrasado nesse ano! O Anagrama quebrou o tabu dos anos anteriores e elaborou a lista mais completa e mais maravilhosa de melhores discos do ano antes do fim de março (é brincadeira, gente!). Confira abaixo as nossas escolhas, com textos maravilhosos dos nossos colaboradores refletindo sobre mais um ano fenomenal no mundo da música.

altj15)
Relaxer
(alt-J)
Lançamento: 2 de junho
Selo: Infectious/Atlantic
Produção: Charlie Andrew
Duração: 38m59s

por Caio Coletti  

Há poucas coisas mais contemporâneas no cenário musical atual do que a eterna busca por autenticidade dentro do artificial que desenha a carreira dos britânicos do alt-J. Uma das bandas indie mais perenemente surpreendentes e intrigantes do nosso tempo retornou com Relaxer, que, por todas as suas oscilações, faz jus ao nome – é um disco de fácil audição, que esconde sua riqueza de detalhes por baixo de um exterior suave e inteligente, de forma que ela talvez só fique aparente na segunda ou terceira vez que você ouví-lo de ponta a ponta casualmente, enquanto trabalha ou faz qualquer outra coisa do seu dia a dia. O trio principal do alt-J, formado por Joe Newman (guitarra, baixo, vocais), Thom Sonny-Green (bateria) e Gus Unger-Hamilton (teclado, vocais), se encaixa naquele estereótipo de jovens adultos com atenção dispersa e mente superativa, e isso se reflete na música – Relaxer é um ensopado de referências, inserções instrumentais inesperadas, sentimentos espalhados e oscilantes pelas letras narrativas e oblíquas assinadas juntamente pelos três integrantes.

Exemplo primário: o single “In Cold Blood” (abaixo), que conjura uma sessão de sopros no refrão para incrementar sua estranha história em staccato sobre uma festa na piscina que se transforma em uma cena de crime. Quer mais um? Em “Hit Me Like a Snare”, Newman “calibra” seu vocal com o discurso decadente dos cantores do punk setentista para resmungar a maliciosa história de um homem visitando um hotel de sexo e usando uma longa frase em japonês como “palavra de segurança”. Já em “Adeline”, o alt-J empresta ressonância emocional de um sample da trilha de Além da Linha Vermelha, escrita por Hans Zimmer, e transforma o lamento de um demônio da tasmânia apaixonado por uma nadadora humana (é sério!) em um conto surpreendentemente tocante com sua metáfora simples.

Nem todas as ideias musicais do alt-J são proposições ridículas que só funcionam espetacularmente por causa do talento de quem as executa, no entanto. Na sublime versão de “House of the Rising Sun”, a banda grava 20 guitarristas clássicos dedilhando a canção folk ao mesmo tempo, criando uma sensação acústica profundamente humana que combina com os novos versos que a banda adiciona à faixa, suportando a história de uma família despedaçada pelo vício em jogos do pai. Em “Pleader”, que fecha o disco, o coral e o órgão da Ely Cathedral, em Cambridgeshire (Inglaterra), se integram à melodia que remete a canções sacras e aos interlúdios banhados em guitarra espanhola, uma mistura que só o alt-J poderia imaginar para uma canção nostálgica por dias mais simples.

Em meio a todas essas referências saídas de Deus sabe onde, o alt-J ainda é uma banda indie marcantemente contemporânea, inserindo sintetizados e pacotes de cordas inesperados em todo o canto, mas recorrendo ao bom e velho folk de violão quando é hora de fechar (emocionalmente) o disco, com a meditativa e mórbida “Last Year”. É aqui que a busca do alt-J pela autenticidade crua de outras eras musicais se casa melhor com suas ambições alternativas e experimentais, conjurando um folk-pop essencial para entender o espírito musical da nossa geração. 

mass14)
MASSEDUCTION
(St. Vincent)
Lançamento: 13 de outubro
Selo: Loma Vista
Produção: Jack Antonoff, St. Vincent, Lars Stalfors, John Congleton
Duração: 41m36s

por Caio Coletti

Há poucos álbuns que se prestam menos a uma crítica acadêmica do MASSEDUCTION, a quinta gravação de estúdio de Annie Clark sob o pseudônimo de St. Vincent. Sua inspiração é tão pura, e suas influências reveladas de forma tão cândida e sem alarde que ele é capaz de desconcertar até o jornalista de música mais experiente (que dirá este que vos fala!). Em MASSEDUCTION, Clark é uma “dominatrix do santório”, como ela mesma definiu ao falar da influência de arquétipos narrativos em sua obra – e enquanto cada uma das faixas introduzem ideias espetacularmente inesperadas, essa personagem da artista (que, como sempre no mundo pop, representa, paradoxalmente, muito do seu eu autêntico) surge para emprestar coesão e essência ao disco. Em 13 faixas, St. Vincent é a rainha das roqueiras alternativas, uma clone mais perturbada de Kylie Minogue, uma artesã do dream-pop sintetizado, uma poetisa da decadência ao piano, e muito mais. Tudo isso sem nunca parecer nada além de uma artista em busca da expressão mais verdadeira de si.

Em muitos momentos, aliás, ela é tudo isso que eu descrevi acima na mesma música. “Pills” é o primeiro exemplo que vem à cabeça – a canção é um deleite pop mordaz levado pela batida, com um refrão que se assemelha a um jingle publicitário (cantado pela modelo Cara Delevingne, ex de St. Vincent), até a sessão final, onde Clark e os coprodutores Jack Antonoff e John Confleton introduzem um improvável interlúdio melódico acompanhado por guitarras distorcidas e cordas, que evoca os momentos mais melodramáticos de David Bowie. A canção título, “Masseduction”, vem logo depois para quebrar completamente com essa impressão, como infalivelmente o disco faz a cada troca de faixa – aqui é que a influência de Kylie aparece mais marcada, com seu refrão repetitivo e seu instrumental que mistura batida eletrônica com intervenções pontuadas de guitarra. É uma música que não estaria fora de lugar no X, disco de Kylie de 2007.

Pouco depois, no single “Los Ageless” (ouça abaixo), Clark mostra todas as suas facetas de uma vez – a mistura é explosiva, com o apelo pop inegável dos ganchos da melodia dos versos se misturando à decadência progressiva das guitarras no refrão e a um interlúdio gritado na sessão central. É o primeiro sinal que MASSEDUCTION não é só um álbum incrivelmente variado e inteligente, como também um tomo de honestidade social, um tratado honesto, afiado e constantemente niilista sobre os nossos impulsos mais básicos (e menos agradáveis) como humanos. St. Vincent passeia por fantasias sexuais e metáforas religiosas na cadenciada “Savior”, mas essa é só a superfície de sua sentença, a provocação pop pintada por cima de um delírio lúcido sobre seduções sociais e o mal que elas podem fazer para um indivíduo.

Essa reflexão é amarrada com o triplo soco no estômago que compõe o final do álbum: as devastadoras “Young Lover”, “Slow Disco” e “Smoking Section” fazem crônica de um relacionamento assombrado por dependência química e psicológica, mas rimam com o disco de forma a representar a visão de St. Vincent sobre a vida em sociedade, suas desesperanças e suas belezas. Enquanto “Young Lover” é levada por gritos e baques percussivos, as outras duas diminuem a intensidade para introduzir reflexões profundas – “Slow Disco” vê a vida como “a slow dance to death” (“uma dança lenta para a morte”), enquanto a autodepreciativa “Smoking Section” termina em uma nota curiosamente esperançosa com os versos “What could be better than love?/ It’s not the end” (“O que pode ser melhor que o amor/ Não é o fim”).

Grandes obras de arte são capazes de casar o opressivo peso do cotidiano, suas hipocrisias e tentações, com a aspiração maior que é própria da narrativa, do espírito e da natureza humana. MASSEDUCTION nunca é menos do que uma obra de arte.

faith13)
The Architect
(Paloma Faith)
Lançamento: 17 de novembro
Selo: RCA/Epic
Produção: Paloma Faith, Jesse Shatkin, Starsmith, TMS, Klas Ahlund, Eg White, James Reynolds, Sam Klempner, Jonathan Green, Ghostwriter, Samuel Dixon, Empre Ramazanoglu, Arnbor Birgisson, Jamie Hartman, Knox Brown, Thomas Brenneck, Homer Steinweiss
Duração: 48m42s

por Caio Coletti

Se você quer prova de que Paloma Faith é uma grande vocalista, não procure além de “Still Around”, uma das faixas mais marcantes do seu quarto disco de estúdio, The Architect. Aqui, a normalmente poderosa Faith contem a voz colossal em tons lânguidos, passeando pelos graves e pelas extensões cristalinas de agudos suaves até o refrão, onde deixa o timbre ardido (no melhor dos sentidos) voar para criar uma pérola de blues que ainda é inseparavelmente contemporânea. Tudo só com a voz – a linha de piano deliciosa da faixa é mera coadjuvante aqui. O que é mais impressionante sobre Faith e seus álbuns, no entanto, é que essa voz extraordinária não é o único instrumento que ela domina perfeitamente como artista.

Não estou falando de instrumentos físicos, mas instrumentos de expressão. Com crédito de composição em 14 das 15 canções do The Architect, e de produção em quatro delas, a britânica cria uma obra que é espetacularmente precisa tanto no sentimento que quer passar quanto na estrutura que usa para passá-lo. Todas as canções do The Architect seguem um desenho minucioso de verso-refrão-verso-refrão-ponte-refrão, em durações que raramente passam dos 4 minutos, mas poucas vezes ficam abaixo dos 3:30. Seu instrumental é imediatamente identificável para fãs do soul pop da cantora, mas ainda ligeiramente modificado para conter as multidões de angústias desse disco em específico. The Architect é a obra de uma artista verdadeira.

Essa verdade aparece nas letras diretas e honestas, mas que ainda assim buscam expressar algo mais profundo do que parece. “Crybaby” e “I’ll Be Gentle” (com John Legend) advogam, em solo e dueto, por uma masculinidade mais vulnerável para construir um mundo mais pacífico – é uma mensagem íntima que se transforma em universal, política. “Kings and Queens” e “Lost and Lonely” falam da glória de uma juventude contemporânea perdida e dos aspectos mais patéticos dela, quando olhados do ponto de vista da experiência, mas clamam também por compreensão dos machucados dessa juventude. “’Till I’m Done” e “WW3” parecem aludir à libertação de padrões violentos, noções onerosas de amor e paixão; e por aí vai.

O significado desses temas é unificado pelos três interlúdios do disco – em “Evolution”, Samuel L. Jackson fala sobre tomar controle de nossas próprias vidas e impelir o mundo ao nosso redor a um novo paradigma; em “Politics of Hope”, Owen Jones faz o mapa das motivações e justificativas de um grupo muito ironizado nessa era da internet, os justiceiros sociais; e em “Pawns”, o trio Baby, Nym & Janelle dá a perspectiva de como um grupo marginalizado se sente com a inclusão hipócrita de uma parte desses justiceiros sociais.

As 15 faixas luxuosas de The Architect passeiam entre guitarras quentes (“Lost and Lonely”), filtros de voz inesperados (“Warrior”, composta por Sia), sintetizadores e cordas que remetem a uma releitura contemporânea da música disco muito mais inspirada do que a de outros artistas que tentaram fazer o mesmo (“Kings and Queens”, “’Till I’m Done”)… É uma experiência musical cheia de repertório, propósito, e o talento necessário para cumpri-lo. Tudo culmina na muscular “Love Me As I Am”, que sintetiza um álbum sobre aceitação, compaixão e a vontade incessante de entender o outro e o mundo que o formou.

Poucos artistas atualmente sabem contar uma história com a paciência e o esmero que ela demanda, e precisamos apreciá-los. Paloma Faith é um deles.

gorillaz12)
Humanz
(Gorillaz)
Lançamento: 28 de abril
Selo: Parlophone/Warner
Produção: Gorillaz, The Twilite Tone, Remi Kabaka Jr, Fraser T Smith
Duração: 49m19s

por Nathalia Nasser

Depois de um intervalo de seis anos fortemente sentido pela indústria, Damon Albarn e Jamie Hewlett injetaram uma dose de caos no mundo da música.

Mais ingleses do que os Beatles, a dupla fez do Gorillaz uma banda americana: dos Estados Unidos e bem aceita pelos norte americanos. Não por menos, o Humanz nasceu de uma das grandes tragédias mundiais e distópicas dos últimos tempos: Donald Trump eleito presidente dos Estados Unidos da América. Uma catástrofe política, social, que resume o álbum em uma playlist feita para o fim do mundo.

Em um momento em que muitos dos grandes artistas pop têm trazido seus álbuns mais como playlists do que como conceito, o epicentro do Humanz foi objetivo. Albarn selecionou as parcerias desejadas para o disco e deu aos músicos uma tarefa: a de imaginar nos EUA no pior cenário possível que poderia acontecer - e aconteceu. Como eles se sentiriam na noite da eleição de Trump? Desse ponto de partida, a construção do Humanz se baseou somente nisso: em fazer um disco sobre o mundo caminhando para um cenário caótico.

O disco é mais uma compilação de faixas bem produzidas e colecionadas do que um álbum coerente. A tentativa de trazer uniformidade à playlist-de-fim-do-mundo são as 6 (!) interludes que trazem referências ao filme A Vida de Brian (1979) e ao clássico disco London Calling (The Clash, 1979). Talvez a junção dessas lâminas de arte que tratavam também de um cenário caótico foram o nó dos pontos dados ao longo das 26 faixas do álbum.

“Ascencion” abre o álbum com Vince Staples numa batida apocalíptica que decola o disco em um nível já alto de velocidade. Com um tom crítico sutil, mas perceptível, Staples ironiza “This the land of the free/ Where you can get a glock and a gram for the cheap/ Where you can live your dreams long as you don't look like me/ Be a puppet on a string hangin' from a fuckin' tree” (“Essa terra é a terra dos livres/ Onde você pode comprar uma arma e uma droga baratas/ Onde você pode viver seu sonhos, a não ser que se pareça comigo/ Seja um boneco pendurado por uma corda, enforcado na árvore”).

Lançada um dia antes da posse de Trump e talvez o momento mais emocionante do álbum, “Hallelujah Money” marca a primeira parceria do cantor inglês Benjamin Clementine com a banda. Os tons vocais de gospel e a batida eletrônica típica do Gorillaz formam a embalagem perfeita para uma letra fortemente crítica e política que ironiza a celebração do dinheiro e discute a construção de muros entre países, num momento de sensibilidade e delicadeza social.

Ao criar um álbum que se desloca rapidamente entre vocalistas, gêneros e tempos, o Gorillaz avançou em suas habilidades pop digitais sem perder qualidade. Peven Everett, D.R.A.M, De La Soul, Danny Brown, Pusha T e Carly Simon: Albarn buscou, como sempre, no mais longe e no mais perto do que lhe parece fazer sentido na música atual.

Em sua gigante pluralidade, o Humanz chega no seu momento final, em “We Got The Power” com uma mensagem emocional e saudosa para os que acompanham Albarn desde os primórdios, na era do britpop. Numa dose de otimismo e bandeira branca, o inglês se junta a Noel Gallagher (Oasis) e Jehnny Beth (Savages) para cantar “We got the power to be loving each other no matter what happens/ We got the power to do that” (“Tempos o poder para amar uns aos outros não importa o que aconteça/ Temos o poder para fazer isso”. Liam Gallagher se revirou em algum lugar da Inglaterra.

Das faixas essenciais, “Andromeda” (com D.R.A.M), “Busted and Blue” (balada solo de Albarn) e “Let Me Out” (com Mavis Staples e Pusha T) estão entre as que não podem ser ouvidas somente uma vez.

A última coisa que Humanz sugere é qualquer tipo de declínio na inspiração da dupla por trás do disco. Pelo contrário, suas ideias são tantas e tão grandes que foram precisos mais de 20 artistas colaboradores para que a abrangência delas pudessem fazer sentido. O disco é menos sobre o que o Gorillaz foi nos últimos quase 20 anos e mais sobre o futuro para o qual se encaminha.

Para uma banda que existe unicamente através da tecnologia, não existia momento melhor para a volta do Gorillaz, que criou um strobo de músicas que piscam em alta velocidade e conseguiram fazer do caos uma festa agradável.

drake11)
More Life
(Drake)
Lançamento: 18 de março
Selo: OVO Sound/Young Money/Cash Money/Republic
Produção: Drake, Olivier El-Khatib, 40, Allen Ritter, Akira Woodgrain, Boi-1da, Charlie Handsome, Chef Pasquale, Cubeatz, Deejae, FrancisGotHeat, Frank Dukes, G. Ry, Hagler, iBeatz,Jazzfeezy, Kanye West, M3rge, Murda Beatz, Nabeyin, Nana Rogues, Nineteen85, Noah Goldstein, Ness, PatryNextDoor, S1, Steve Samson, Stwo, Supah Mario, Top FLR, T-Minus, Vinylz, Wallis Lane
Duração: 81m42s

por Andressa Cruz

Desde If You're Reading This It's Too Late (2015), Drake vinha de lançamentos musicais anuais. Ele foi um dos artistas que mais entendeu a dinâmica do streaming e a importância de se manter em relevância. More Life nasceu sob o conceito de playlist, reunindo 22 faixas e sendo lançado primeiramente nas plataformas digitais. Com os singles "Fake Love" (abaixo), "Passionfruit”, "Free Smoke", "Portland" e "Glow", a playlist teve uma boa recepção pela crítica e quebrou vários recordes de streaming, mostrando que Drake sabe como lançar música na era digital.

O "álbum" pode parecer desconexo, mas a vida não é assim? Em cada momento necessitamos de uma música que dialogue com ele, e Drake, em entrevista para a Complex, disse que sua "intenção em criar uma playlist era entregar uma coleção de músicas que se tornam a trilha sonora da sua vida". Então, More Life nos trouxe diversos gêneros um único lugar: afrobeat, dancehall, hip-hop, R&B, entre outros. A diversidade não para nos estilos musicais e Drake explora diferentes colaborações, produtoras e estúdios.

More Life traz a mesma fórmula usada pelo artista desde Nothing Was The Same: rimas, diversos samples e vozes emprestadas dos artistas que colaboram com ele. E, assim como em Views, o pop e dancehall se faz presente no trabalho. Se em DAMN., Kendrick Lamar conta uma história através de um conceito, Drake não tem essa pretensão em More Life. As músicas nada mais são que ideias, atos isolados formando um conjunto.

Sabe aquele serviço de curadoria que fazemos ao selecionar canções para determinada playlist? Podemos identificar isso por aqui. Drake escolhe bem os artistas para dar corpo ao seu trabalho e traz nomes como Jorja Smith, Kanye West, Sampha, Travis Scott, PARTYNEXTDOOR, Skepta e até a atriz Zöe Kravitz para fazer parte de More Life.

Os grandes destaques da coletânea são a sentimental "Teenage Fever”, "Glow", "4422" e a chiclete "Passionfruit". Os samples marcantes são uma característica dos trabalhos de Drake e podemos ouvir inserções instrumentais de J.Lo, Lionel Richie, Hiatus Kaiyote e Earth, Wind & Fire. em suas composições, Drake traz versos intimistas sobre relacionamentos e conflitos pessoais, tornando More Life uma playlist acessível ao público.

fjm

10)
Pure Comedy
(Father John Misty)
Lançamento: 07 de abril
Selo: Bella Union/Sub Pop
Produção: Jonathan Wilson, Father John Misty
Duração: 74m17s

por Nathalia Nasser

Ao criar um mundo paralelo dentro de um universo completamente real, Josh Tillman ultrapassou algumas linhas impostas no pop barroco e triunfou nas composições no seu terceiro álbum solo.

Depois de conquistar corações com I Love You, Honeybear, Tillman abraçou toda a sua inquietude. Pure Comedy vem com promessas anunciadas e mais do que cumpridas- talvez sua primeira grande oportunidade de confrontar de frente o pop.

Tillman reduziu o ser humano a uma espécie quase animal e discutiu ao longo de 13 faixas a bizarra capacidade humana de construir significado onde não existe ao tentar ressignificar a existência monótona e vulnerável. Dois takes por música foram o suficiente para um álbum primoroso nas mãos de Father John Misty, um neurótico apocalíptico que passa longe de qualquer tipo de humildade e quase implora por arte em cada acorde. Na primeira faixa (abaixo), que carrega o nome do álbum, os seis minutos de música discorrem sobre o nascimento da política e ironizam a instituição das religiões: “The religions are the best.” A letra crítica e impaciente é envolvida por um arranjo cru e sofisticado ao mesmo tempo.

“Can we recommend some similar artists?/ This is totally the song of my summer /Are you feeling depressed?/ This guy just gets me/ But your feedback's important to us” (“Podemos recomendar artistas similares?/ Essa é totalmente a minha música do verão/ Você está deprimido?/ Esse cara me entende/ O seu retorno é importante para nós”). “The Memo” são cinco minutos de completa insatisfação nada disfarçada. O piano parece existir estritamente para acompanhar o quase protesto e a composição agressiva atinge todo o sistema com um vocal gentil e uma personalidade artificial ilustrando um estilo de vida nada saudável.

“Ballad of the Dying Man” é uma balada trágica, por assim dizer. Aqui, a persona de Tillman se mostra exatamente como é: patético, crítico, genioso. Um dos pontos altos do álbum, a faixa é envolvente e bem produzida: corais qualificados, um piano agradável e um arranjo notável.

O disco transita entre revolta crua e um humor invejável. Em “Leaving LA”, faixa quase declamada, Tillman desce do púlpito em que se colocou até então, “Oh great, that's just what we all need/ Another white guy in 2017/ Who takes himself so goddamn seriously” (“Ah, que ótimo, é disso que precisamos/ Mais um cara branco em 2017/ Que se leva tão malditamente a sério”), assumindo uma insignificância citada incansavelmente durante todo o álbum.

“When The God of Love Returns There’ll Be Hell to Pay” é facilmente uma de suas canções mais corajosas e enfrenta questionamentos atormentadores diretamente com Deus, sem rastro de medo ou submissão: “You must know the first thing about human beings, we’re the Earth most soulful predator, try something less ambitious the next time you get bored” (“Você precisa saber a primeira coisa sobre os seres humanos, nós somos os predadores mais cheios de alma da Terra, tente algo menos ambicioso da próxima vez que ficar entediado”).

Tillman não fez questão de esconder seus problemas com a depressão e como um pensamento quase niilista foi a saída - mesmo que temporária - possível nesse momento. Só mesmo no final do álbum, em “In Twenty Years or So”, o cantor permite-se despir em sentimentalismo através da melodia, carregada por um piano robusto e sofisticado, e afirma - por meio de um vocal impecável e um falsete muito bem colocado: “It’s a miracle to be here alive/ One more time/ There’s nothing to fear” (“É um milagre estar aqui vivo/ Mais uma vez/ Não há nada para temer”).

Talvez o grande trunfo de Pure Comedy seja mesmo a capacidade de Josh Tillman em soar tão agradável enquanto está sendo crítico e desconfortante. O violão e pianos bem pontuados e a produção - que ainda soa como um despretensioso instrumentista em Los Angeles na década de 70 - são uma soma com um resultado positivo e, no mínimo, agradável. É preciso somente um passo a frente para que o desconforto seja sentido.

Desafortunados os que escolheram apreciar de fato a arte de Josh Tillman. Pure Comedy conceitua uma crítica inabalável sobre a humanidade vista de um lugar frio, embalada em um pacote delicado e gentil.

the 1st

9)
The 1st
(Willow)
Lançamento: 31 de outubro
Selo: Roc Nation
Produção: Blood Orange, Willow Smith
Duração: 34m

por Gabryel Previtale

No Halloween de 2017, 31 de outubro, Willow Smith, que comemorava seu aniversário de 17 anos, decidiu lançar esse seu segundo álbum de estúdio, The 1st. Composto por 11 faixas, o LP é bem possivelmente um mergulho mais aprofundado dos temas tratados no seu primeiro disco, o ARDIPITHECUS (2015), mas dessa vez lançando mão de mais experimentações e novos estilos que o tornam complexo musicalmente, já que este trabalho por exemplo não tem sessões muito bem definidas e nem uma linearidade instrumental e sonora. Digamos que as faixas não são construídas com o instrumental de uma banda, por exemplo - as canções são colocadas tendo a voz da Willow como instrumento principal e, portanto, daí a construção em volta dos vocais, mesclando instrumentação e voz. É uma coisa que a jovem cantora já costumava fazer, principalmente nas suas apresentações ao vivo, onde ela explora e brinca com as vibrações e melodias da sua voz em meio ao background de instrumentos.

É perceptível a evolução da cantora dos últimos projetos para esse mais recente. Não sei se foi proposital, mas chamar esse álbum de The 1st faz parecer que esse, sim, é o primeiro trabalho que exprime o paladar de Willow e sua bagagem musical ao longo desses anos em que já esteve inserida (desde muito cedo) no meio musical. Parece que é o primeiro em que ela coloca sua identidade musical de uma maneira mais séria - claro que o disco trata em sua maioria das faixas de amor, paixão da adolescência, sentimentos, ansiedade, mas também traz um pé em críticas sociais, e até um pouco de raiva em certos vocais. Esse ar juvenil de estudante de filosofia, os arranjos elegantes e o instrumental acústico fazem o CD ser muito bom de ouvir e apreciar. Sabemos que Willow já passeou por vários ritmos: pop, hip hop, eletro e agora folk, mas isso é totalmente compreensível já que a cantora ainda é uma adolescente e está na fase de experimentações e mudanças - amamos quando um artista se renova e traz sempre uma nova tentativa de se reinventar. É de se pensar que tudo que havia de “errado” com seu primeiro LP, The 1st veio consertando, porque o mais genial de todo o trabalho é que apesar de se tratar de temas de adolescentes, as faixas conseguem ser bem maduras e concisas.

O álbum abre com “Boy”, e já percebemos violinos e uma voz intimista, com pouco volume, porém firme e presente. É uma faixa que dá o tom do que está por vir, são compartilhamentos de histórias e segredos que ela nos convida a conhecer e fazer parte, nos contando seus sentimentos. Essa faixa tem um tom doce e os violinos mesclaram muito bem com todo o resto. Em seguida nós temos um interlúdio, “An Awkward Life of an Awkward Girl” , sem letra, apenas uma orquestra conduzida por um piano clássico, que faz com que o disco não tenha essas sessões muito bem dividas de que falei anteriormente. É algo que pode causar certo estranhamento, mas nada que vá interferir de modo negativo no resultado final.

Indo mais para o miolo do projeto, temos “Warm Honey” (abaixo), que é o álbum resumido em uma faixa - é a essência desse todo, é uma faixa doce e leve, dos mesmos assuntos tratados, mas ao mesmo tempo séria, madura, nostálgica e até filosófica. O instrumental já é uma guitarra com bateria que me lembrou referencias do ANTI, da Rihanna. “Oh no!!!!” é uma faixa muito boa, com colaboração de Dev Hynes, puxando mais pro eletro e os vocais soando inegavelmente como Lorde, até o estilo com o qual a música foi construída.

Por fim, o CD termina com “Romance”, a faixa mais agressiva do álbum, com vocais e notas mais altas e extensas. É uma música sobre reflexão do amor na sociedade, traz mais questões de gênero e liberdade social, com muita critica, mas também uma música com um peso super relevante para o projeto, deixando o CD mais dinâmico e com mais nuances do que só um amor juvenil. Em resumo, é o projeto mais completo lançado por Willow, muito bem construído melodicamente, bem pensado e de muito bom gosto, principalmente no uso dos instrumentais. Por outro lado, não acho que é todo mundo que vai se identificar com a mensagem do projeto, é musicalmente complexo e exige uma mente mais aberta para desfrutar das nuances de Willow como artista, mas realmente vale a pena dar uma chance para o mundo dessa jovem cantora que amadurece a cada trabalho.

9 juli

8)
Lua Full
(Juliana Kehl)
Lançamento: 13 de janeiro
Selo: Deckdisc
Produção: Gustavo Ruiz, Luiz Chagas
Duração: 44m

por Caio Coletti

É difícil fazer música brasileira contemporânea que não se encaixe em rótulos estritos e sufocantes. Em um país cuja tradição musical é tão vasta e tão identificável (para nós mesmos, pelo menos), a impressão é que ou se faz a MPB emulada das décadas “de ouro” ou se faz música pop/eletrônica que quebra completamente com ela. Uma geração de artistas vem tentando borrar essa linha há muito tempo, embora estejam conseguindo mais notoriedade agora – Céu, Tiê, Karina Buhr, Alice Caymmi, por aí vai. Em 2017, Juliana Kehl se destacou desse grupo com o singularmente preciso e sutil Lua Full, seu segundo disco de estúdio, uma coleção de canções que trabalha duro para manter a identidade melódica e sônica brasileira em (quase) todos os seus sentidos e vertentes, mas mesmo assim incorpora a sofisticação e a globalização do pop. Kehl tem em seu favor uma voz quase insultantemente melódica, que passeia com fluidez, elasticidade, expressão e afinação pelas canções escorregadias do álbum que criou ao lado dos produtores Gustavo Ruiz e Luiz Chagas, além de diversos co-compositores.

“Ladainha” (ouça mais abaixo), que abe o disco, nos introduz a essa voz de forma espetacularmente inteligente – é a canção mais melodicamente “redonda” do disco, com uma linha de baixo constante nos versos que deixa sua marca pelo restante do disco. Da canção título, “Lua Full”, à poética “Desoriente”, o baixo não deixa o ritmo escapar das composições esbeltas e expressivas de Kehl e seus colaboradores (entre eles, familiares como Ana Kehl de Moraes e Pedro Piccardi Kehl, além de amigos célebres como Marcelo Janeci), ou das belas reinterpretações de faixas gravadas originalmente por Reginaldo Rossi (“Desterro”) e Zé Pi (“Anoiteceu”).

Colorindo a levada do baixo, você encontra de tudo – guitarras que desaguam em solos desenfreados (“Sagitário”), sintetizadores rasgados (“Fuori da Questa Stanza”), teclados inspirados no soul e no R&B (“O Mundo Dela”). Lua Full faz de tudo, mas faz com um sabor que é intrinsicamente brasileiro, com composições em tons abertos e uma vocalista que não busca impor potência, mas canta de forma notavelmente sublinhada, projetada, calorosa. Seus adereços são cosmopolitas e sua sabedoria pop ao utilizá-los e inegável, mas seu espírito é, de forma respeitosa e consciente, nacional.

Liricamente, Lua Full é uma obra-prima sobre amores desconectados. A faixa-título dá a dica com seu verso principal: “A tua lua full aí/ A minha cheia aqui” – mas nem todos os amores do disco são desencontrados pela distância geográfica. Na minha faixa favorita, “Sete Salomés”, Kehl canta: “E o seu corpo que insiste em tocar/ Meu corpo solto em nenhum lugar”. É um manifesto de desconexão mais profundo – emocional, mas também beirando o social, que rima elegantemente a melancolia, a revolta e a liberação em um pedaço de música tão cheio de camadas escondidas.

Music Review The Killers

7)
Wonderful Wonderful
(The Killers)
Lançamento: 22 de setembro
Selo: Island
Produção: Erol Alkan, The Killers, Jacknife Lee, Stuart Price
Duração: 43m

por Nathalia Nasser

Trazer a década de 80 pros anos 2010 já está mais do que previsto por qualquer banda que risca um ruído indie. O The Killers conseguiu, de novo, fazer do previsto uma boa surpresa. A aura do último disco solo de Brandon Flowers, The Desired Effect, paira sobre o Wonderful Wonderful numa viagem à década oitentista condensada e de qualidade.

A identidade do The Killers não foi perdida: eles continuam soando como uma banda de fechamento de festival, o grande headliner esperado por 70% do público e também assistido pelos outros trinta. Mas talvez aqui seja o momento em que Flowers se mostra mais do que nunca. “The Man” (ouça abaixo), primeiro single do disco, elege o frontman como um “household name” (uma gíria americana para “nome estabelecido” ou famoso) em meio a batidas de groove e vocais que remetem facilmente aos anos 80 dos grandes Michael Jackson e David Bowie.

O álbum é recheado de melodias com guitarras ardidas, synth e letras doloridas, como os versos de “Rut”, terceira faixa do álbum, na qual Flowers pede: “Don’t give up on me/ Cause I’m just in a rut/ I'm climbing but the walls/ Keep stacking up” (“Não desista de mim/ Porque eu estou só em um barranco/ Eu estou escalando mas as paredes/ Surgem uma em cima da outra”). A evolução da faixa se dá ao final, quando ela cresce em mil por cento e, com grandeza, assume o refrão como um mantra.

A postura de banda-de-rock-alternativo-com-grande-bagagem-e-ainda-acima-da-média do The Killers se mantém intacta em canções gigantes e lindas como “Life to Come” (se fechar seus olhos, consegue ver Brandon Flowers cantando para uma arena lotada com jogos de luzes milimetricamente ensaiados), que declama amor, casamento, paixão e vidas futuras. “The Calling” vem para mostrar a imersão oitentista que Flowers e seus companheiros fizeram - há alguns anos, aparentemente - sendo quase um Depeche Mode e a-ha (muito bem) cuspidos. O ar futurista da canção traz a equação declarada dos anos oitenta: guitarra sensual, synth e doses homeopáticas de batidas eletrônicas, que transformam a faixa quase em uma viagem no tempo.

“Wonderful Wonderful”, faixa de abertura, e “Some Kind of Love” trazem em si uma característica comum: um instrumental muito bem produzido e incansavelmente trabalhado, acompanhado de vocais que tocam quase como um carinho, proeza que a voz de Flowers tem o poder de fazer desde “Everything Will Be Alright”.

Canções queridinhas pela crítica, como “Tyson vs Douglas”, faixa que claramente saiu de um congelador de 1986 e foi lindamente encaixada no álbum, seguram a onda profunda do álbum. “Out of My Mind” é das composições que não deixam escapar a identidade de Flowers para qualquer um que o conhece ao longo dos anos.

A meditativa “Have All The Songs Been Written?” fecha o álbum com maestria e doçura. Com uma guitarra bem pontuada e gentil, a canção é quase como espiar Flowers olhando seu próprio reflexo no espelho brigando dolorosamente com bloqueio da composição que teve de lidar nos últimos anos: “Has ever ship gone sailing? / Has every heart gone blue?/ Have all the songs been written?/ Oh i just need one to get through to you” (“Todos os navios já saíra do porto? / Todos os corações já se entristeceram? / Todas as canções já foram escritas?/ Oh, eu só preciso de uma para te tocar”).

Que o The Killers nunca aceitou ser pouco a gente já sabe. Canções massivas como “All These Things That I’ve Done” e “When You Were Young” podem assombrar para sempre uma carreira. Não por menos, o disco foi mais uma prova de que a banda continua puxando suas capacidades ao limite há mais de uma década e se provando ainda grande. Mais uma vez, por parte da produção - assim como Flowers fez em 2015 - o disco é um masterclass de truques de produção da década de 80.

O Wonderful Wonderful foi mais como uma revisita aos anos de Sam’s Town - onde os companheiros de banda de Flowers ainda estavam. É certamente um álbum de grandes músicas: íntimas, tocantes, confusas e grandemente sinceras. Uma ideia quase simples executada de forma sofisticada – talvez o grande benefício da dúvida entregue aos fãs do indie rock dos anos 2000.

7 pp

6)
Tremendous Sea of Love
(Passion Pit)
Lançamento: 24 de março
Selo: Wishart Group Recordings
Produção: Michael Angelakos
Duração: 35m25s

por Caio Coletti

Muita coisa aconteceu na vida de Michael Angelakos, que é o líder (e único membro) do Passion Pitt, desde o lançamento do disco Kindred, em abril de 2015. Ele se divorciou em agosto do mesmo ano, e se assumiu gay publicamente, em entrevista ao autor Bret Easton Ellis, em novembro. Enquanto continuava a lidar com o transtorno bipolar e a depressão, Angelakos, como todo americano, se viu surpreso pela eleição de Donald Trump à presidência – o título de seu novo disco, Tremendous Sea of Love, é tirado de um discurso do agora presidente dos EUA durante a cerimônia de posse. Em meio a uma retórica de ódio e divisão, as palavras atingiram Angelakos e o álbum, quarto do projeto Passion Pit, o coloca na desconfortável (e, ainda assim, tão apropriada) posição de consertar a distorção que elas representam em meio ao discurso do presidente. Tremendous Sea of Love é um disco luminoso, mas não bobo ou deslumbrado – uma corrente de melancolia corre por ele, mas Angelakos a envolve em sintetizadores cortantes, percussões inesperadas, pianos de melodias simples e referências surpreendentes.

“You Have the Right” e “Hey K” são as duas baladas dreamy do disco, com o falsete inconfundível de Angelakos passeado por melodias leves como uma pluma por cima de digitalizações graves e batidas sintéticas de R&B clássico. “Somewhere Up There” e “I’m Perfect” substituem a placidez por euforia – a primeira, descrita por Angelakos como “um ataque de pânico em três atos”, é uma caixinha de surpresas técnica que mistura uma composição pela metade com dois trechos falados, um por um amigo de Angelakos (desvendando os mistérios psicológicos do laço mãe-e-filho) e outro pela própria mãe do artista, respondendo com profundidade desavisada um recado deixado pelo filho. “We’re here, and everybody else is elsewhere” (“Nós estamos aqui, e todo mundo está em algum outro lugar”) diz ela entre avisos e recados de importância trivial.

Tremendous Sea of Love, em muitos sentidos, é sobre essa mesma “profundidade desavisada” do mundo, sobre a forma como nossas vidas comuns e tentativas tolas de transcendê-las ganham uma beleza contemplativa quando vistas de fora, de longe, de cima. Na crua “To the Other Side”, Angelakos eleva o ato de sobreviver a um feito heroico, tudo enquanto não deixa de reconhecer a dimensão inegavelmente patética das nossas ferramentas de sobrevivência: “Fight your war wrapped up in a blanket on your living room floor/ What do you need? / You’re a goddamn human, you’re already set free” (“Lute sua guerra enrolado em um cobertor no chão da sua sala/ Do que você precisa? / Você já é um maldito humano, você já foi libertado”).

Duas das faixas finais do disco,  “Inner Dialogue” e “The Undertow”, pintam o retrato dessa liberdade que Angelakos encontrou nos últimos anos de sua vida. Na primeira, em meio a batidas fragmentadas e experimentações mais esquizofrênicas (no melhor dos sentidos) do que nunca, Angelakos testa diversas entonações, efeitos e cadências na frase “give me your love” (“Me dê seu amor”), uma rara intervenção romântica que continua em “The Undertow” – aqui, o Passion Pit mistura a cadência particular de alguns de seus hits anteriores, como “Constant Conversations”, com a liberdade luminosa de tons e sintetizadores que o Tremendous Sea of Love representa.

Como de costume, um artista livre das amarras convencionais da indústria (Angelakos lançou o disco independentemente, on-line, postando-o só depois nas vias oficiais, como o Spotify) é indubitavelmente um artista melhor. No seu melhor disco até hoje, o Passion Pit criou uma obra-prima de esperança madura, equilibrada e deliciosa pelo prazer que tira de cada nota, escolha instrumental e harmonia vocal.

6 k

5)
Rainbow
(Kesha)
Lançamento: 11 de agosto
Selo: Kemosabe/RCA
Produção: Kesha, Body Brown, Rogét Chahayed, Stuart Crichton, Ben Folds, Ryan Lewis, Nate Mercereau, Rick Nowels, Drew Pearson, Ricky Reed, Pebe Sebert
Duração: 48m39s

por Maurício Sobrinho

Cinco anos após o lançamento de Warrior (2012), Kesha nos presenteia com o brilhante Rainbow. Foram cinco longos anos em que vimos publicamente a cantora enfrentando uma batalha judicial sem fim contra o seu próprio produtor, que abusou da cantora física e psicologicamente desde o início de sua carreira, quando tinha apenas 18 anos. Um período longo e doloroso em que vimos uma artista presa criativamente à sua gravadora, lutando por sua carreira e sobretudo, por justiça.

Quem acompanhou a trajetória sabe que a cantora anteriormente já havia deixado claro o seu desejo em fazer algo fora do padrão que lhe era imposto pela gravadora, mas até então o futuro desse novo disco e dessa nova sonoridade era incerto.

Com o lançamento do lead single “Praying” (abaixo), tivemos a doce surpresa de finalmente conhecer a verdadeira voz potente da cantora, que foi silenciada ao longo dos discos anteriores. Por meio de versos fortes, coesos e autobiográficos, Kesha nos inunda em emoções ao ouvir um dos melhores singles de 2017.

Se engana quem acredita que o álbum é de todo frágil, ainda nas canções mais emotivas como “Praying” e “Rainbow”, Kesha se impõe, mostra força, determinação e, por meio dos versos, nos diz que ela está de volta e veio pra ficar. A cantora não só nos diz que vai lutar, mas também nos convida a lutar com ela, como na sublime “Bastards”, o abre-alas do álbum e uma de suas faixas mais poderosas.

A surpresa não fica apenas na voz, mas sim no conjunto da obra. O disco não se encaixa apenas no pop, sua pluralidade faz com que a artista fuja do que já conhecemos de seu trabalho. A cantora passeia pelo rock, country e surpreende também nas parcerias, como Eagles Of Death Metal, The Dap-Kings Horns e a consagrada Dolly Parton na ótima “Old Flames (Can’t Hold A Candle To You)”.

Mesmo nas faixas mais dançantes, como “Let ‘Em Talk”, de sonoridade alternativa, que poderia ser facilmente de alguma banda indie atual, ou até mesmo “Woman”, nenhum verso passa sem uma mensagem a ser entregue. Os versos chicletes de “Woman”, que ficam em nossa cabeça e que cantamos despretensiosamente, nos lembram que Kesha não precisa de ninguém a não ser ela mesma para fazer toda essa mágica acontecer.

Ainda que sob o selo da Kemosabe Records, temos em nossas mãos o melhor trabalho de Kesha até hoje, que merece respeito não só empaticamente, mas merece por um trabalho denso e honesto. Ela está de volta e pronta para nos mostrar a artista que ela sempre foi, e que infelizmente só hoje tivemos a oportunidade de conhecer.

Que lindo arco-íris após um período de tempestades violentas e cinzas.

6 g

4)
Silver Eye
(Goldfrapp)
Duração: 31 de março
Selo: Mute
Produção: Leo Abrahams, John Congleton, Goldfrapp, The Haxan Cloak
Duração: 44m49s

por Maurício Sobrinho

O sétimo álbum de inéditas dos britânicos do Goldfrapp é exatamente o que o alternativo precisava. O sucessor do Tales Of Us (2013) não é apenas um ótimo álbum, mas sim uma obra necessária. Em uma época em que os artistas anteriormente dito alternativos se recuam em produções mais radiofônicas, é reconfortante ouvir os vocais alongados e sussurrados de Alison.

Com o lançamento do lead single “Anymore” (abaixo) já ficou claro que a dupla não voltaria com a sonoridade obscura do Tales Of Us, mas que sim mais uma vez se reinventaria, fazendo que a curiosidade em torno do Silver Eye crescesse ainda mais.

O disco soa como algo novo, porém ainda encontramos elementos dos trabalhos anteriores, como em “Moon In Your Mouth” e “Faux Suede Drifter”, que, ouvidas de os olhos fechados, nos proporcionam a sensação de pertencer à outra dimensão, algo muito presente, por exemplo, no Seventh Tree (2008).

Em conjunto com um time de produtores, o álbum traz surpresas deliciosas e até, diga-se de passagem, animadas - como em “Systemagic”, que de modo despretensioso e crescente te convida a dançar e se entregar ao poderoso jogo de sintetizadores cuidadosamente alinhados à voz devidamente colocada de Alison. As poderosas “Everything Is Never Enough” e “Become The One” são as provas de que esse casamento com os sintetizadores deu certo.

O álbum não comete erros e não peca por excesso, o que pode soar pretensioso - porém, parece que o Goldfrapp sabia exatamente o que queria nos entregar. O álbum surpreende, faz dançar, pensar e se entregar. Era de um álbum alternativo e bem construído assim que a cena precisava em 2017. E se o hiato até o próximo álbum for de mais 4 longos anos, certamente vai valer a pena, pois os britânicos voltarão com algo tão bom e milimetricamente bem construído quanto o Silver Eye.

3 s

3)
Process
(Sampha)
Lançamento: 03 de fevereiro
Selo: Young Turks
Produção: Sampha, Rodaidh Mcdonald
Duração: 40m17s

por Nathalia Nasser

Conhecer o talento e a profundidade de Sampha Sisay foi um processo feito pela indústria fonográfica em doses homeopáticas. Suas colaborações pontuais com Solange, Kanye West e Frank Ocean trouxeram à tona uma estrela ascendente. Ao lado dos grandes, o londrino de 29 anos se mostrou tão gigante quanto. Em seu álbum de estreia, Sampha não deixa dúvidas da sua grandeza. Produzido por Rodaidh McDonald (The XX, Adele, Daughter, Vampire Weekend), Process se revela maduro e sofisticado.

Das composições que atingem o âmago da sensibilidade, “No Ones Knows Me (Like The Piano)” (abaixo), através de uma delicadeza notável e diálogo íntimo entre o compositor e o piano, traz à tona a dor de Sisay ao perder sua mãe para a volta de um câncer repentino. Com polidez, Sampha se debruça em versos doloridos ao lembrar da sua infância e seu primeiro contato com o piano, e atravessa o tempo para 20 anos depois, ao voltar pra sua cidade natal. Em “Kora Sings”, mais uma vez a perda é colocada com um timbre gentil e melodia agradável. Sisay dialoga quase sozinho: “You’ve been with me since the craddle, you’ve been with me, you’re my angel, please don’t you disappear” (“Você esteve comigo desde o berço, você esteve comigo, você é o meu anjo, por favor, não desapareça”). A quebra vem na faixa seguinte, “Take Me Inside”, uma grande produção nos efeitos vocais.

O álbum como obra completa traça o mesmo caminho de “No Ones Knows Me”: uma trilha oriunda de um lugar reflexivo e sentimental vivida por um jovem que lida ainda com uma perda dolorida. Na primeira e última faixas do álbum, os problemas de saúde familiares são o gás de composição e performance. A abertura do álbum, com “Plastic 100ºC”, Sampha revela um susto de saúde envolvendo o crescimento de um nódulo na garganta: “Sleeping with my worries/ I didn’t really know what that lump was” (“Dormindo com as minhas preocupações/ Eu não sabia o que aquele nódulo era”).  Ao fim, em “What Shouldn’t I Be?”, há um espectro de relação consigo mesmo que discorre o impacto das suas relações familiares ao mencionar seu irmão, que sofreu de um sério derrame.

Ao lado de uma produção primorosa, “Incomplete Kisses” traz falsetes impecáveis e detalhes sombrios sobre sua convivência familiar, situada quase em inércia: “In this house, we’re sinking but we’re far too numb to care” (“Nessa casa estamos afundando, mas estamos anestesiados demais para nos importarmos”).

Blood On Me”, segundo e aclamado single do disco, é escrito como uma cena de filme. No refrão, a respiração forte de Sisay não vem por erro ou falta de cuidado, ele entrou em sua narrativa: Sisay perdeu o fôlego durante as gravações. “Eu estava genuinamente sem ar ao cantar essa música. Fiz de tudo para me sentir genuinamente dentro da situação que criei para ela”, disse em entrevista.

O disco é performado a nível catártico, atingindo um drama e sensibilidade dificilmente vistos em narrações atuais. Os versos delicados (tanto quanto doloridos) de Process são a revelação perfeita e clara de dores e traumas. “Under” é uma equação perfeita: um refrão delicioso e densidade na amostra dos vocais, coro e sintetizadores - uma aula de produção e voz.

Process pode ter sido a primeira aparição perfeita de Sampha em sua totalidade: uma soma de sensibilidade, vocais notáveis e impecáveis, uma produção sofisticada e uma performance de peso. Embora a construção de Process seja absolutamente não-comercial, o primeiro tiro na indústria fonográfica foi muito bem mirado para a criação e crescimento de uma grandiosíssima estrela improvável.

2 kl

2)
DAMN.
(Kendrick Lamar)
Lançamento: 14 de abril
Selo: Top Dawg/Aftermath/Interscope
Produção: Top Dawg, Dr. Dre, 9th Wonder, The Alchemist, Bekon, BadBadNotGood, Cardo, DJ Dahi, Greg Kurstin, James Blake, Kuk Harrell, Mike Will Made It, Mike Hector, Pluss, Ricci Riera, Sounwave, Steve Lacy, Terrace Martin, Tae Beast, Teddy Walton, Yung Exclusive
Duração: 54m54s

por Andressa Cruz

O hip-hop ao longo de sua história teve diversas vozes que transformaram o gênero, a música e até a sociedade. Kendrick Lamar é uma dessas vozes e To Pimp a Butterfly o consolidou como um artista que dialoga com o movimento negro, tornando "Alright" um hino durante protestos do Black Lives Matter, em 2016. O contexto social mais os dois grandes álbuns anteriores de Kendrick nos fez perguntar “o que virá depois de To Pimp a Butterfly?”.

A resposta foi DAMN., seu quarto álbum de estúdio, lançado em abril de 2017 após o single promocional “The Heart Part 4”. Se “ser ou não ser, eis a questão” é uma dúvida que permeia Hamlet, em DAMN., K-Dot nos pergunta “Is it wickedness? Is it weakness?” (É maldade? É fraqueza?) em “BLOOD.”, primeira faixa do disco, e introduz as duas forças principais do álbum.

A música serve como entrada na narrativa do álbum, onde somos convidados a decidir entre uma dessas forças que estão dentro dele, mostrando a dualidade como artista e ser humano. DAMN. é, sem dúvidas, o trabalho mais íntimo feito por ele. “BLOOD.” ainda traz um sample de um noticiário da FOX News, onde o jornalista faz uma crítica à apresentação de Lamar no BET Awards 2016, dizendo que não gostou de como o rapper rima sobre a violência policial contra os negros norte-americanos.

O antagonismo continua a percorrer as faixas: “PRIDE.” (Orgulho) & “HUMBLE.” (Humilde) (ouça abaixo) ou “LOVE.” (Amor) & “LUST.” (Luxúria). Todas os nomes tem uma única palavra que estão ligadas de alguma forma. A simplicidade apresentada nos títulos também está presente nas batidas das faixas. Em To Pimp A Butterfly, Kendrick experimentava e flertava com blues, soul, funk e jazz; em DAMN. ele aposta no bom e velho arroz e feijão do hip-hop. Se a sonoridade parece simples, as rimas carregadas de significados mostram que o equilíbrio é a chave para um disco memorável.

O álbum ainda traz participações de grandes artistas da música, como o U2, em “XXX.”; e Rihanna, na comercial “LOYALTY.”, faixa que contém sample de “24K Magic”, de Bruno Mars. Ao longo da obra, Kendrick Lamar não busca encontrar uma resposta sobre qual lado é certo ou errado, ele nos apresenta o equilíbrio como melhor saída.

No fim de 2017, o rapper divulgou o Damn. Collectors. Edition. e mostrou o seu trabalho sob uma nova perspectiva: as músicas estão em ordem oposta, o que resultou em um novo disco, com outros significados e simbologias. Se na versão oficial, DAMN. começa com a morte de Lamar em “BLOOD.”, nesta versão, o álbum acaba com sua morte na mesma faixa. Isso tudo reforçando a dualidade que o disco trouxe aos nossos ouvidos: o antagonismo está presente em tudo na nossa vida e dentro de nós mesmos.

O projeto de Kendrick Lamar tornou-se o disco de hip-hop mais aclamado do ano, levando o megafone de Melhor Álbum de Rap. Antes de DAMN. nós nos perguntávamos o que viria depois de To Pimp A Butterfly, agora nós nos perguntamos: quando Kendrick Lamar irá ganhar (finalmente) o Grammy de Melhor Álbum do Ano?

1 l

1)
Melodrama
(Lorde)
Lançamento: 16 de junho
Selo: Lava/Republic
Produção: Lorde, Jack Antonoff, Jean-Benoît Dunckel, Flume, Frank Dukes, Kuk Harrell, Joel Little, Malay, S1, Andrew Wyatt
Duração: 40m58s

por Nathalia Nasser

Um coração quebrado e o afogamento na imensidão complexa da vida adulta podem ser a soma perfeita para resultar em uma obra-prima. Ella não deixou detalhe algum para trás na construção minuciosa e lustrosa de seu segundo álbum, que presenteia o mundo pop e permite que ele embale e os anos dançantes da cantora.

Inocente o lado do universo pop que esperou mais do mesmo ou, na melhor das hipóteses, uma evolução de Pure Heroine, disco de estreia da neozelandesa. Ao lado do grandioso Jack Antonoff (fun. e Bleachers), que produz o álbum com maestria, Lorde aprimorou suas composições junto a Joel Little, velho conhecido e parceiro nas letras de Pure Heroine.

Referida por Bowie como ‘the future of music’, Ella viaja por batidas nada óbvias até nos momentos mais previsíveis do álbum, como a faixa-chefe e primeiro single, “Green Light” (abaixo), que abdica de rimas e comprova, mais uma vez, a força da sinestesia de Lorde nas suas composições e produções.

Lorde envolve o ouvinte em uma montanha-russa vivida por todo e qualquer jovem adulto minimamente intenso. O Melodrama faz enxergar o profundo poço que é o fim de um primeiro grande amor com “Writer In The Dark”, que melancoliza na medida perfeita voz, piano e atraso na quase-fala rouca das bridges da balada. Com versos machucados, Ella agoniza o antigo amor: “But in my darkest hours/I stumbled on a secret power/I’ll find a way to be without you, babe” (“Na minha hora mais sombria/ Eu tropecei em um poder secreto/ Eu vou encontrar uma forma de continuar sem você, querido”). Em “Liability”, momento íntimo e pessoal, é quase invasivo que o ouvinte esteja em contato com tamanha insegurança e fragilidade expostas em forma de letra e melodia.

No outro extremo, o álbum se tele transporta para canções galácticas como “Supercut” - um dos destaques de produção do disco - e celebra momentos de efervescência jovem com “Homemade Dynamite” (não à toa que o remix da faixa seja com três dos mais jovens artistas da música atual, todos com menos de 22 anos; e seja composta em parceria com a sueca party-person Tove Lo). Aqui, Ella ironiza a superficialidade de relações que se limitam a uma só noite e, no melhor dos mundos, é capaz de gozar do momento.

A habilidade de Lorde em surpreender fica evidente e indiscutível em “Hard Feelings/Loveless”, faixa subestimada quando se olha para o Melodrama como obra. O trecho “Guess this is the winter/ Our bodies are young and blue” (“Parece que  é o inverno/ Nossos corpos são jovens e azuis”) é uma conexão quase perfeita com a capa do álbum, interpretação artística de Sam McKinnis sobre o conceito que permeia o Melodrama. Talvez a composição mais sofisticada do álbum, a canção é dolorida e abre portas para uma citação do genioso Paul Simon no início de “Loveless”, faixa que se esconde atrás da grandeza de “Hard Feelings”.

Os dezoito meses que duraram o processo de composição e gravação resultaram em momentos de contato quase direto com o formato do Pure Heroine, como “Sober”, talvez o momento mais cru e sofisticado do álbum. Nesse momento, os instrumentos são escolhidos a dedo em cada centésimo de segundo. Antonoff sabe exatamente onde pontuar coral, baixo e instrumentos de sopro no crescente e envolvente refrão. A masterclass de produção combina por completo com a letra profunda que fala sobre um romance não dialogado: “Played it so nonchalant/ It’s time we dance with the truth” (“Fingimos fazer tudo casualmente/ Está na hora de dançarmos com a verdade”). A notável referência desse trecho com o momento lá atrás em que Ella cita, em “Team”, “dancing around with the lies we tell” (“dançando por aí com as mentiras que contamos”) é a evidência perfeita de evolução do seu debut album para o Melodrama.

Uma boa surpresa vem em forma de entrelaço de guitarras de new wave com a produção eletrônica de Flume em “The Louvre”, faixa sofisticada e lúdica em meio ao melodrama. “Sober II (Melodrama)” e “Liability (Reprise)” aparecem quase como um ponto para o nó final do álbum como obra, que se encerra em uma faixa que pode facilmente ser denominada como a equação perfeita do pop. “Perfect Places”, canção preferida de Lorde no disco, expressa em um momento as intermináveis noites de verão e os exercícios mentais que são a sobrevivência em festas constantes, enquanto ao mesmo tempo se desveste em confissões, como a dor da perda de ídolos como David Bowie e Prince, e a diversão entrelaçada com a tristeza de um sexo casual.

Para os ouvintes de primeira ou milésima viagem, o Melodrama permanece na mesma definição: uma viagem magistral.

0 comentários: